“O princĂ­pio de incerteza” – ClĂ©ment ROSSET

“A necessidade de uma fĂ© forte nĂŁo Ă© prova de fĂ© forte, Ă©, isso sim, o contrĂĄrio. Se alguĂ©m tem essa fĂ©, pode permitir-se o luxo do ceticismo.”Nietzsche, O CrepĂșsculo dos Ă­dolos Montaigne sugere, em uma passagem da Apologia de Raimond Sebond, uma definição da verdade filosĂłfica tĂŁo desconcertante quanto pertinente: “Duvido que Epicuro, PlatĂŁo… Continue lendo “O princĂ­pio de incerteza” – ClĂ©ment ROSSET

Publicidade

Sobre Revelação e Revolução, religiÔes utópicas e utopias políticas (E.M. Cioran)

Muitas vezes o reacionĂĄrio Ă© apenas um sĂĄbio habilidoso, um sĂĄbio interesseiro que, explorando politicamente as grandes verdades metafĂ­sicas, vasculha sem fraqueza nem piedade os segredos do fenĂŽmeno humano, para revelar seu horror. Um aproveitador do terrĂ­vel, cujo pensamento -- coagulado pelo cĂĄlculo ou pelo excesso de lucidez -- minimiza ou calunia o tempo. Mais… Continue lendo Sobre Revelação e Revolução, religiĂ”es utĂłpicas e utopias polĂ­ticas (E.M. Cioran)

“Utopia como ReligiĂŁo: Uma Proposta de Avanço da CrĂ­tica AustrĂ­aca aos Anseios da Escatologia Socialista” (Yago Martins)

MISES: Revista Interdisciplinar de Filosofia, Direito e Economia ISSN 2318-0811 Volume V, Numero 1 (EdiÂąao 9) Janeiro-Junho 2017: 147-165 RESUMO: Um dos grandes desafios da ciĂȘncia polĂ­tica atual estĂĄ no fato de que o pensamento polĂ­tico muitas vezes se manifesta como um substituto da religiĂŁo: meta- narrativas de um telos desmistificado para a histĂłria. Ao… Continue lendo “Utopia como ReligiĂŁo: Uma Proposta de Avanço da CrĂ­tica AustrĂ­aca aos Anseios da Escatologia Socialista” (Yago Martins)

“A RĂșssia e o vĂ­rus da liberdade” – CIORAN

Às vezes penso que todos os paĂ­ses deveriam se parecer com a Suíça, comprazer-se e arruinar-se, como ela, na higiene, na insipidez, na idolatria das leis e no culto ao homem; por outro lado, sĂł me atraem as naçÔes desprovidas de escrĂșpulo tanto em pensamento quanto em atos, sempre prestes a devoras as outras e… Continue lendo “A RĂșssia e o vĂ­rus da liberdade” – CIORAN