“Ivã Karamazov devolve a entrada” – John GRAY

Um contemporâneo russo de Dostoievski, o crítico e reformista social Nikolai Mikhailovsky, referiu-se ao escritor como "um talento cruel". Ele tinha em mente, para começo de conversa, o tormento psicológico a que narrador da novela Notas do subterrâneo (1863) submete Liza, urna prostitui de quem se aproxima. Escreve Mikhailovsky: Não há motivos para sua maldade… Continue lendo “Ivã Karamazov devolve a entrada” – John GRAY

“Sobre vantagens e desvantagens” (Dostoiévski)

Mas tudo isto são sonhos dourados. Oh, dizei-me, quem foi o primeiro a declarar, a proclamar que o homem comete ignomínias unicamente por desconhecer os seus reais interesses, e que bastaria instruí-lo, abrir-lhe os olhos para os seus verdadeiros e normais interesses, para que ele imediatamente deixasse de cometer essas ignomínias e se tornasse, no… Continue lendo “Sobre vantagens e desvantagens” (Dostoiévski)

“As revelações da morte” – CHESTOV

DOSTOIEVSKY CUMPRIU A PENA; terminou, também, o serviço militar. Está em Tver, e depois em Petersburgo. Tudo quanto espera se realiza. Sobre ele estende-se a imensa cúpula celeste. É um homem livre, como aqueles cuja sorte invejara, quando acorrentado. Resta-lhe pôr em prática as promessas que a si próprio fez. Devemos acreditar que Dostoievsky não… Continue lendo “As revelações da morte” – CHESTOV