“A frivolidade de um apóstolo da desilusão” (Marcelo Coelho)

Caderno Mais!, Folha de São Paulo, 26 de novembro de 2000 Cioran une petulância e melancolia nos textos de "Exercícios de admiração", que analisa autores como Valéry e Beckett. Em qualquer tempo e em qualquer lugar há motivos de sobra para o pessimismo. Existem épocas, entretanto, em que essa atitude se torna especialmente charmosa e… Continue lendo “A frivolidade de um apóstolo da desilusão” (Marcelo Coelho)

“Le vie parallele di Cioran e Leopardi”: Intervista a Mario Andrea Rigoni di Antonio Castronuovo

Aforisticamente - L'Aforisma nel Mondo - Letture e Scritture Aforistiche Contemporanee Gentile prof. Rigoni, la sua avventura intellettuale è traversata da Leopardi e da Cioran. Vorrei che lei ci aiutasse a mettere a confronto l’uno con l’altro: che cosa li unisce e che cosa li separa? Condividevano l’esperienza capitale della noia, cioè il senso della… Continue lendo “Le vie parallele di Cioran e Leopardi”: Intervista a Mario Andrea Rigoni di Antonio Castronuovo

“Les confessions de Cioran” – Garcin JÉRÔME

L'EXPRESS, 20 avril 1995 Dans un livre d'entretiens, à paraître le 3 mai aux éditions Michalon, le très secret E. M. Cioran se confie. Extraits. Né sceptique en Transylvanie, E. M. Cioran mourra sceptique en France: entre-temps, il aura travaillé à élever ce doute ontologique à la hauteur d'un aphorisme philosophique et se sera appliqué à… Continue lendo “Les confessions de Cioran” – Garcin JÉRÔME

Entrevista de Maite Grau com Simone Boué

A pintora catalã Maite Grau conversou com Simone Boué, a esposa de Cioran. O resultado foi uma agradável visão sobre particularidades da vida do pensador romeno. Texto e tradução: Leandro Marcio Publicado em Ugapress Simone Boué (1919-1997) foi a fiel companheira de Cioran. Apesar disso, o nome dela não aparece em nenhum de seus livros:… Continue lendo Entrevista de Maite Grau com Simone Boué

“O silêncio do dândi romeno” – Leda Tenório da MOTTA

Especial para a Folha de São Paulo, Caderno Mais!, 17 de fevereiro de 1995 Com pudor inusual e ironia perfeita, Emil Michel Cioran renuncia à literatura em 1987, no exato momento em que está saindo de um longo anonimato para alcançar o que a muitos só teria aconselhado a continuar: reconhecimento da crítica, prêmios, que invariavelmente… Continue lendo “O silêncio do dândi romeno” – Leda Tenório da MOTTA

“O Drácula do ceticismo” – Sérgio AUGUSTO

O Estado de S. Paulo, 9 de abril de 2011 Misantropos e descrentes do mundo inteiro!, aproximem-se para celebrarmos juntos, com um dia de atraso, o centenário de Emil Cioran, o último agente provocador da filosofia, o mais desconcertante e divertido dos céticos, o mais fulgurante militante do pessimismo, o mais implacável profeta do niilismo,… Continue lendo “O Drácula do ceticismo” – Sérgio AUGUSTO