“Traços gnĂłsticos na Modernidade filosĂłfica e literĂĄria: Cioran, Camus, Bloom” – Rodrigo MENEZES

DossiĂȘ temĂĄtico do minicurso on-line Filosofia, Literatura e Gnose, ministrado por Juliano Garcia Pessanha e Rodrigo InĂĄcio R. SĂĄ Menezes. SĂŁo Paulo, Brasil, novembro/dezembro de 2022. “I think there may be something wrong with this world.Either that or there’s something wrong with me”.[1] DOLORES (personagem androide da sĂ©rie Westworld) “Life’s but a walking shadow, a… Continue lendo “Traços gnĂłsticos na Modernidade filosĂłfica e literĂĄria: Cioran, Camus, Bloom” – Rodrigo MENEZES

Publicidade

“Albert Camus: existĂȘncia, absurdo e responsabilidade” – MaurĂ­cio MARSOLA

A obra de Albert Camus, romancista, dramaturgo, ensaĂ­sta e filĂłsofo franco-argelino, Ă© tradicionalmente associada ao existencialismo. Mais especificamente, os leitores de Camus sabemos todos que o autor nos legou importantes reflexĂ”es acerca do "absurdo" da existĂȘncia humana. Mas afinal, qual Ă© o significado dessa reflexĂŁo? De que modo o autor de romances seminais como O… Continue lendo “Albert Camus: existĂȘncia, absurdo e responsabilidade” – MaurĂ­cio MARSOLA

“O clinamen de Cioran”: uma perspectiva feminina muçulmana. Entrevista com Daria Lebedeva

DARIA LEBEDEVA Ă© ucraniana, nascida em Odessa, e vive atualmente na SuĂ©cia. Realizou seu doutorado no Instituto de Filosofia e Sociologia da Academia Polonesa de CiĂȘncias (VarsĂłvia), sob orientação de Agata Bielik-Robson, com uma tese sobre o filĂłsofo romeno de expressĂŁo francesa: Cioran’s clinamen: a case analysis of a philosophical influence (2012).[1] Trata-se de uma… Continue lendo “O clinamen de Cioran”: uma perspectiva feminina muçulmana. Entrevista com Daria Lebedeva

“Modernidade/PĂłs-Modernidade: variaçÔes niilistas em torno ao suicĂ­dio” – Fernando Rey PUENTE

Na esteira de Schopenhauer, podemos mencionar o pouco conhecido filĂłsofo alemĂŁo Phillip MailĂąnder, que viveu no sĂ©culo XIX e antecipou em muitos aspectos um outro pensador extemporĂąneo desse sĂ©culo, este, contudo, muito cĂ©lebre, a saber, Friedrich Nietzsche. Ambos, de certa forma, anunciaram em linhas gerais o que viria a ser a posição dominante no sĂ©culo… Continue lendo “Modernidade/PĂłs-Modernidade: variaçÔes niilistas em torno ao suicĂ­dio” – Fernando Rey PUENTE

“Camus e o Ășnico problema filosĂłfico realmente sĂ©rio” – Ariano SUASSUNA

SĂł existe um problema filosĂłfico realmente sĂ©rio: o suicĂ­dio. Julgar se a vida vale ou nĂŁo vale a pena ser vivida Ă© responder Ă  pergunta fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem trĂȘs dimensĂ”es, se o espĂ­rito tem nove ou doze categorias, vem depois. Trata-se de jogos; Ă© preciso primeiro responder. E se… Continue lendo “Camus e o Ășnico problema filosĂłfico realmente sĂ©rio” – Ariano SUASSUNA

“Restos: Camus, Arendt, Teoria CrĂ­tica, Rawls” – Susan NEIMAN

Em um tributo ao rei Afonso, Hans Blumenberg escreveu que a era moderna começou com um ato de teodicĂ©ia (Blumenberg 2, 307). SerĂĄ que ela termina com a percepção de que qualquer ato desse tipo Ă© inĂștil? A reflexĂŁo polĂ­tica e histĂłrica sobre casos especĂ­ficos de mal e a esperança de uma resistĂȘncia especĂ­fica que… Continue lendo “Restos: Camus, Arendt, Teoria CrĂ­tica, Rawls” – Susan NEIMAN

“O absurdo e o suicĂ­dio” – CAMUS

SĂł existe um problema filosĂłfico realmente sĂ©rio: o suicĂ­dio. Julgar se a vida vale ou nĂŁo vale a pena ser vivida Ă© responder Ă  pergunta fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem trĂȘs dimensĂ”es, se o espĂ­rito tem nove ou doze categorias, vem depois. Trata-se de jogos; Ă© preciso primeiro responder. E se… Continue lendo “O absurdo e o suicĂ­dio” – CAMUS

Entre SĂ­sifo e Job: Repetição e ExistĂȘncia em Kierkegaard – Jonas ROOS

Ekstasis: Revista de HermenĂȘutica e Fenomenologia, vol. 4, nr. 2 (2015). Texto apresentado na XIV Jornada Internacional de Estudos de Kierkegaard, “o silĂȘncio da solidĂŁo: tornar-se singular em Kierkegaard”, de 3 a 7 de novembro de 2015, UFRJ, UERJ, IFEN, Rio de Janeiro O artigo analisa o conceito de repetição como experimentado pelo personagem Constantin… Continue lendo Entre SĂ­sifo e Job: Repetição e ExistĂȘncia em Kierkegaard – Jonas ROOS

“A esperança e o absurdo na obra de Franz Kafka” – Albert CAMUS

O estudo sobre Franz Kafka que publicamos em apĂȘndice foi substituĂ­do na primeira edição de O mito de SĂ­sifo pelo capĂ­tulo sobre DostoiĂ©vski e o suicĂ­dio. PorĂ©m foi publicado pela revista L’ArbalĂšte em 1943. Nele se encontrarĂĄ, em outra perspectiva, a crĂ­tica da criação absurda jĂĄ iniciada nas pĂĄginas sobre DostoiĂ©vski. (Nota do editor francĂȘs.)… Continue lendo “A esperança e o absurdo na obra de Franz Kafka” – Albert CAMUS

SuicĂ­dio e Tecnologia: Desenraizamento, Redes sociais e o Valor da Imagem | Com Fernanda Marquetti

Matar-se, em certo sentido, e como no melodrama, Ă© confessar. Confessar que fomos superados pela vida ou que nĂŁo a entendemos. Mas nĂŁo prossigamos nestas analogias e voltemos Ă s palavras correntes. Trata-se apenas de confessar que isso “nĂŁo vale a pena”. Viver, naturalmente, nunca Ă© fĂĄcil. Continuamos fazendo os gestos que a existĂȘncia impĂ”e por… Continue lendo SuicĂ­dio e Tecnologia: Desenraizamento, Redes sociais e o Valor da Imagem | Com Fernanda Marquetti