“Imagem e conceito: a metĂĄfora da caça na filosofia da renascença” – Luiz Carlos BOMBASSARO

Aurora - Revista de Filosofia, v. 19, n. 24, p. 11-33, jan./jun. 2007 Resumo: O discurso filosĂłfico da Renascença Ă© marcado pelo uso freqĂŒente de uma linguagem simbĂłlica na qual se destacam mitos e metĂĄforas. Visando mostrar a intrĂ­nseca relação que se estabelece entre imagem e conceito no pensamento renascentista, este texto indica o sentido… Continue lendo “Imagem e conceito: a metĂĄfora da caça na filosofia da renascença” – Luiz Carlos BOMBASSARO

Publicidade

“Relativismo e Assolutismo” – Gianni VATTIMO & Nuccio ORDINE

"Uccidere un uomo non significa mai difendere una dottrina, ma semplicemente uccidere un uomo." SĂ©bastien Castellion "La visione dogmatica Ăš terapeutica perchĂš ci libra dal difficultĂ  della scelta." Nuccio Ordine Dialogo tra il filosofo Gianni Vattimo e il professore di Letteratura italiana Nuccio Ordine a Reggio Emilia, il 21 aprile 2012. https://www.youtube.com/watch?v=5UclSRhhOO8 Nuccio Ordine (Diamante, CalĂĄbria, 18 de… Continue lendo “Relativismo e Assolutismo” – Gianni VATTIMO & Nuccio ORDINE

Cioran no MĂ©xico, escritas marginais e outros temas: em diĂĄlogo com Sigifredo Esquivel MarĂ­n | UAZ đŸ‡ČđŸ‡œ

Quando eu era adolescente, estimulava-me o pensamento provocador de Cioran, suas invectivas contra tudo e todos. Agora, me interessa muito mais o Cioran que estĂĄ atento Ă  complexidade, ambiguidade e estranheza da vida humana, que questiona e critica sem concessĂ”es, mas sobretudo o autor que tem piedade e compaixĂŁo por ter assumido atĂ© suas raĂ­zes… Continue lendo Cioran no MĂ©xico, escritas marginais e outros temas: em diĂĄlogo com Sigifredo Esquivel MarĂ­n | UAZ đŸ‡ČđŸ‡œ

“O ensaio como forma” – Theodor W. ADORNO

Destinado a ver o iluminado, nĂŁo a luz.GOETHE, Pandora Que o ensaio, na Alemanha, esteja difamado como um produto bastardo; que sua forma careça de uma tradição convincente; que suas demandas enfĂĄticas sĂł tenham sido satisfeitas de modo intermitente, tudo isso jĂĄ foi dito e repreendido o bastante. “A forma do ensaio ainda nĂŁo conseguiu… Continue lendo “O ensaio como forma” – Theodor W. ADORNO

“A Ficção CĂ©tica” – Gustavo BERNARDO

Annablume, 2004 Dubito ergo sum, vel quod item est, cogito ergo sum, disse RenĂ© Descartes, mostrando que pensar Ă© a mesma coisa que duvidar. O ensaio A ficção cĂ©tica parte dessa sentença para discutir a presença do ceticismo na literatura, entendendo-o constitutivo e essencial. A discussĂŁo interessa Ă queles que estudam Literatura, Filosofia, HistĂłria e Comunicação, mas tambĂ©m… Continue lendo “A Ficção CĂ©tica” – Gustavo BERNARDO

“Dos Coxos: ceticismo e fideĂ­smo em Montaigne” – Luciana AZEVEDO

O Que Nos Faz Pensar, [S.l.], v. 20, n. 30, p. 176-194, dec. 2011. ISSN 0104-6675.  Resumo: O presente artigo tem como objetivo analisar as relaçÔes entre o ceticismo montaigniano e o ceticismo acadĂȘmico, a partir do ensaio “Dos Coxos”. Pretendemos evidenciar que a presença de elementos tipicamente acadĂȘmicos neste ensaio nĂŁo caracteriza uma modificação… Continue lendo “Dos Coxos: ceticismo e fideĂ­smo em Montaigne” – Luciana AZEVEDO

“Rumo a lugar algum: niilismo, pessimismo e antinatalismo em Cioran”. Entrevista com Fernando OLSZEWSKI

NĂŁo penso que a abulia polĂ­tica de Cioran seja uma apologia velada ao capitalismo ou ao privilĂ©gio de sociedades tradicionais e conservadoras, mas sim derivada (na maior parte) de sua visĂŁo negativa da realidade: ele considera a existĂȘncia um absurdo e uma chaga terrĂ­vel. Para lidarmos com essa chaga, o melhor que fazemos Ă© nos… Continue lendo “Rumo a lugar algum: niilismo, pessimismo e antinatalismo em Cioran”. Entrevista com Fernando OLSZEWSKI

“Estamos nos tornando uma teocracia”: entrevista com Harold BLOOM

Folha de S. Paulo, 24/09/2005 "Creio que sou religioso, mas de um modo herĂ©tico. Acho que em algum lugar, alĂ©m deste reino, alĂ©m do nosso cosmo, haja um sonho em exĂ­lio, um princĂ­pio divino, e acho que hĂĄ um fragmento disso em cada ser humano, mas este se acha enterrado tĂŁo fundo, tĂŁo oculto no… Continue lendo “Estamos nos tornando uma teocracia”: entrevista com Harold BLOOM

“O princĂ­pio de incerteza” – ClĂ©ment ROSSET

“A necessidade de uma fĂ© forte nĂŁo Ă© prova de fĂ© forte, Ă©, isso sim, o contrĂĄrio. Se alguĂ©m tem essa fĂ©, pode permitir-se o luxo do ceticismo.”Nietzsche, O CrepĂșsculo dos Ă­dolos Montaigne sugere, em uma passagem da Apologia de Raimond Sebond, uma definição da verdade filosĂłfica tĂŁo desconcertante quanto pertinente: “Duvido que Epicuro, PlatĂŁo… Continue lendo “O princĂ­pio de incerteza” – ClĂ©ment ROSSET

“La llamada desgarradora del animal: entre Montaigne y Cioran” – Gustavo ROMERO

Revista Latinoamericana de Estudios Criticos Animales, ILECA (Instituto Latinoamericano de Estudios Criticos Animales), Buenos Aires, 2020 [PDF] Resumen: En este artĂ­culo nos proponemos considerar al escepticismo como un “ejercicio de desfascinaciĂłn” y su importancia para una filosofĂ­a de la animalidad. Esta concepciĂłn de escepticismo se constituye como crĂ­tica de todo humanismo, es decir, como crĂ­tica… Continue lendo “La llamada desgarradora del animal: entre Montaigne y Cioran” – Gustavo ROMERO