“Carl Schmitt e a política da violência: amigo e inimigo” – Byung-Chul HAN

Segundo Carl Schmitt, a essência da política é a distinção entre amigo e inimigo. O pensar político e o instinto político nada mais significam do que a “capacidade de distinguir entre amigo e inimigo”. “Amigo/inimigo” não é um código binário usual que diferencia o sistema político de outros sistemas, pois o político não é um… Continue lendo “Carl Schmitt e a política da violência: amigo e inimigo” – Byung-Chul HAN

“A democracia criminosa” – Jacques Rancière

Folha de S. Paulo, Caderno Mais!, 28 de março de 2004 Há alguns meses apareceu na França um livro de título intrigante: "As Tendências Criminosas da Europa Democrática" ["Les Penchants Criminels de l'Europe Démocratique", ed. Verdier]. O autor, Jean-Claude Milner, não deixava os leitores ignorarem por muito tempo de qual crime a democracia era, segundo… Continue lendo “A democracia criminosa” – Jacques Rancière

Frederico Nietzsche (Renato Almeida)

Cad. Nietzsche, São Paulo, v.36 n.1, p. 187-195, 2015. Resumo: Artigo publicado no diário carioca A Manhã, em 1944.* Tal como outros editados no mesmo ano, vem a público a propósito da celebração do centenário de nascimento do filósofo. Alegando certo irracionalismo e misticismo na obra de Nietzsche, o autor procura associar sua obra à… Continue lendo Frederico Nietzsche (Renato Almeida)