O Perigo do “Cristianocentrismo” – Octavio da Cunha BOTELHO

Observador Crítico das Religiões

            O canal de TV por assinatura +Globosat exibiu ontem (08/12/14) mais um episódio da série de documentários denominada ‘Brasil Místico’. Desta vez o assunto foi ‘Ateísmo e Agnosticismo’. Surpreende-nos o fato deste tema entrar na pauta desta série, sobretudo por ser exibido em um canal da rede Globo, um grupo de comunicação tendenciosamente católico. Os mais experientes perceberão como este assunto não tinha oportunidade nos canais de televisão no passado. Tudo indica que o ateísmo alcançou mais notoriedade nos últimos anos, ao ponto de agora entrar na pauta da programação de temas dos documentários sobre religiões no Brasil. Com isso, parece que os ateus estão sendo mais respeitados no momento, conseguindo, por conseguinte, remover gradativamente aquela antiga imagem estigmatizada de que são imorais e desumanos.

            O episódio foi intercalado com depoimentos de uma antropóloga, de um neurologista, de um ex-pastor, de alguns religiosos e de ateus. O dirigente…

Ver o post original 505 mais palavras

“Nagarjuna e a Fabricação do seu Prestígio pelos Missionários Budistas” (Otávio da Cunha Botelho)

Observador Crítico das Religiões

por Octavio da Cunha Botelho

 Considerações iniciais 

O caso analisado abaixo não é único na história das religiões. Muitos são os exemplos de visionários e de interpretes religiosos que não adquiriram prestígio e influência em sua terra natal, mas, em virtude do trabalho de marketing e de propaganda de missionários, conseguiram um extraordinário prestígio em regiões estrangeiras. O Cristianismo, por exemplo, teve um destino, até certo ponto, semelhante. Os casos como estes são exemplos de como as religiões, em sua maioria, surgem e crescem mais como resultado da persuasão e da propaganda do que de qualquer outra forma de comunicação.  Pois, é grande o número de pessoas que acreditam mais no que os outros dizem ou relatam do que no que elas mesmas são capazes de perceber, sem a intermediação de alguém.

Contrariando o que pregam os adeptos budistas do Mahayana, bem como divulgam os admiradores, Nagarjuna

Ver o post original 7.900 mais palavras