A angústia da influência – Harold BLOOM

A angústia da influência foi e continua sendo mal interpretado, de uma maneira medíocre. Qualquer leitor capaz deste livro, o que significa qualquer um com alguma sensibilidade literária e que não seja comissário nem ideólogo, de esquerda ou direita, verá que influência-angústia não se refere tanto aos precursores quanto é uma angústia realizada no e… Continue lendo A angústia da influência – Harold BLOOM

“Observações iniciais sobre a importância da Ortodoxia” – G. K. CHESTERTON

NADA INDICA, de modo mais inusitado, o enorme e silencioso mal da sociedade moderna do que o estranho uso que é feito, em nossos dias, da palavra “ortodoxo”. No passado, o herege se orgulhava de não ser herege. Os reinos do mundo, a polícia e os juízes é que eram hereges. Ele era ortodoxo. Não… Continue lendo “Observações iniciais sobre a importância da Ortodoxia” – G. K. CHESTERTON

De Profundis e Oscar Wilde: a pessoa, o escritor e o inscritor na autoria e o texto como gestão do contexto (Kelen Rodrigues)

Revista de Estudos da Linguagem, UFMG, vol. 24, n. 2, 2016. Resumo: A concepção de autoria assumida fundamenta-se na proposta de Dominique Maingueneau (2006) porque ela permite mostrar a autoria como um funcionamento entrelaçado de instâncias autorias. O que está no texto de um autor, neste caso, em Oscar Wilde, diz respeito à pessoa de Wilde, tem… Continue lendo De Profundis e Oscar Wilde: a pessoa, o escritor e o inscritor na autoria e o texto como gestão do contexto (Kelen Rodrigues)

“Cioran, le passé récomposé” (Gilles Martin-Chauffier)

Paris Match, 31/07/2019 En choisissant d'écrire en français et en s'installant en plein Quartier latin, le philosophe né en Roumanie s'est absout de ses prises de positions pro-fascistes d'avant guerre. Avec la bénédiction d'une intelligentsia parisienne pourtant volontiers sourcilleuse.  C’était un provocateur. Il trouvait que les Européens blancs méritaient de plus en plus le nom… Continue lendo “Cioran, le passé récomposé” (Gilles Martin-Chauffier)

“A fanatic without conviction” (Charles Newman)

"And there, sir, lies the entire problem, to have within oneself the inseparable reality and the material clarity of feeling, to have it in such a degree that the feeling cannot but express itself, to have a wealth of words and of formal constructions which can join in the dance, serve one's purpose-and at the… Continue lendo “A fanatic without conviction” (Charles Newman)

“Cioran: a reflection on decadence as a lifestyle” (Angelo Mitchievichi)

DACOROMANIA LITTERARIA, IV, 2017, pp. 12–33 “All’s good if it’s excessive.” Pier Paolo Pasolini, Salò, or the 120 Days of Sodom I, the Decadent The term “decadence” generated ample debate during the nineteenth century among historians, philosophers, scholars and writers. Its derived term, decadentism – coined by the low-profile literary critic Anatole Baju and writ… Continue lendo “Cioran: a reflection on decadence as a lifestyle” (Angelo Mitchievichi)