Cioran: Trapista Negativo, ou a Desforra da Criatura Inconformada

https://youtu.be/XNwx4jU1DBE Portal E.M. Cioran Brasil: 1 ano de (in)existência no YouTube... Mas, ironicamente, o vídeo mais visto não é sobre Cioran e não tem nada a ver com ele, diretamente. Die Grosse Stille (2005), de Philip Gröning, é um primoroso documentário alemão, de 3h de duração, quase todo em silêncio, que retrata a rotina do… Continue lendo Cioran: Trapista Negativo, ou a Desforra da Criatura Inconformada

Confissão resumida / Relendo… (E.M. Cioran)

Os dois últimos textos de Exercícios de admiração (1986) não são - à diferença dos demais - retratos ou perfis literários de figuras presentes ou passadas que Cioran admirava.

“El mar”, videopoema de Olga Lucía Betancourt

Espacio M. Liliana Herrera A. 🇨🇴

Olga Lucía Betancourt S. es poeta, intelectual autodidacta y una gran melómana, como además su prima Liliana Herrera (1960-2019). Olga Nació en Viterbo (Caldas) y vivió en Pereira hasta el 1995, cuando se mudó a Luxemburgo donde vivió por más de 20 años (razón por la cual no estuvo presente en las diez ediciones del Encuentro Internacional Emil Cioran).

Olga siempre estuvo presente en la vida de Liliana, pese a la distancia física entre ellas, en sus pensamientos y recuerdos. Desde la infancia hasta la vida adulta, pasando por la adolescencia, Olga y Liliana vivieron importantes e inolvidables momentos juntas, escuchando la música de Mina[1] o discutiendo filosofía, literatura y mucho más. Ellas comparten muchos intereses, empezando por la pasión-Cioran. La prima mayor de Liliana es una gran (atenta y sensible) lectora del filósofo rumano, a quien Liliana dedicó gran parte de su vida académica.

Además de la…

Ver o post original 416 mais palavras

“Pelos Olhos do Jaguar”, de Nitiren Queiroz: prefácio de Claudio Willer

Mapear cicatrizes,contabilizandoas pedras que me beijam a testaenquantocorrodos fantasmas que brincamem minha cabeça,que brindamcada folha caídada grande árvore que habito. PREFÁCIO Podem poemas ser manifestos libertários? Claro que sim. Mais um bom exemplo, de tudo o que tem vindo à tona da boa produção poética contemporânea brasileira, é dado por Nitiren Queiroz. Representa, entre outras… Continue lendo “Pelos Olhos do Jaguar”, de Nitiren Queiroz: prefácio de Claudio Willer

Os poetas analfabetos do Sertão do Pajeú

"Pois, afinal, é um mal não saber ler e escrever? Francamente, não posso pensar que seja. E digo mais, poderemos ficar de luto pelo homem quando houver desaparecido o último iletrado."CIORAN, "Retrato do homem civilizado" (1964) "No fundo, o único mundo verdadeiro é o mundo primitivo, em que tudo é possível e nada é atualizado."CIORAN,… Continue lendo Os poetas analfabetos do Sertão do Pajeú

“De inutensílios e dessantidades: a palavra poética em Manoel de Barros e Cioran” – Rodrigo MENEZES

Ninguém é pai de um poema sem morrer.Manoel de Barros Se leio um livro e ele torna o meu corpo tão frio que nenhum fogo seria jamais capaz de me aquecer, eu sei que aquilo é poesia. Se eu sinto, fisicamente, como se o topo de minha cabeça tivesse sido arrancado, eu sei que aquilo é poesia.Emily Dickinson CIORAN NÃO TEVE a oportunidade de conhecer este gigante, e… Continue lendo “De inutensílios e dessantidades: a palavra poética em Manoel de Barros e Cioran” – Rodrigo MENEZES