Acerca de “El Paraiso Perdido” de John Milton – Joan CURBET

Fundación Juan March, 5 de mayo de 2022 En la segunda conferencia del ciclo John Milton: su vida, su obra, su tiempo, el profesor titular del Departamento de Filología inglesa de la Universitat Autònoma de Barcelona, Joan Curbet, analiza El Paraíso Perdido (1667) de John Milton, haciendo énfasis en la modernidad de la reinterpretación de… Continue lendo Acerca de “El Paraiso Perdido” de John Milton – Joan CURBET

“John Milton en su tiempo” – Joan CURBET

Fundación Juan March, 3 de mayo de 2022 "Es el poeta que lleva la modernidad en un sentido pleno a la poesía de lengua inglesa […] la modernidad centrada en la defensa de la libertad”. Con estas palabras dedicadas al poeta y ensayista inglés John Milton (Londres, 1608-1674), el profesor titular del Departamento de Filología… Continue lendo “John Milton en su tiempo” – Joan CURBET

“A revolta dos dândis” – Albert CAMUS

Mas ainda é a hora dos homens de letras. O romantismo, com sua revolta luciferina, só servirá realmente às aventuras da imaginação. Como Sade, ele se separará da revolta da antiguidade pela preferência dada ao mal e ao indivíduo. Ao ressaltar seus poderes de desafio e de recusa, a revolta nesse estágio esquece seu conteúdo… Continue lendo “A revolta dos dândis” – Albert CAMUS

“Observações iniciais sobre a importância da Ortodoxia” – G. K. CHESTERTON

NADA INDICA, de modo mais inusitado, o enorme e silencioso mal da sociedade moderna do que o estranho uso que é feito, em nossos dias, da palavra “ortodoxo”. No passado, o herege se orgulhava de não ser herege. Os reinos do mundo, a polícia e os juízes é que eram hereges. Ele era ortodoxo. Não… Continue lendo “Observações iniciais sobre a importância da Ortodoxia” – G. K. CHESTERTON

“Emil Michel Cioran: El Drama de la Caída en el Tiempo (la nostalgia del paraíso perdido)” – José Luis Álvarez LOPEZTELLO

¿No habéis advertido una imagen de pureza en la mirada sin percepción, en la mirada que refleja y refracta, una imagen purificada de objetos? ¿No os habéis fijado nunca en la mirada de los patitos y habéis visto unos ojos donde el cielo es cielo, el agua agua y la hoja hoja? El cielo ha… Continue lendo “Emil Michel Cioran: El Drama de la Caída en el Tiempo (la nostalgia del paraíso perdido)” – José Luis Álvarez LOPEZTELLO

Heresia existencial e outros temas, a propósito de Cioran: Tertúlia com José Luis Álvarez LOPEZTELLO

Tem mais festa para o pessimista neste mês de abril, em que se celebra o natalício de 110 anos de Emil Cioran. No dia do seu nascimento, 8 de abril, recebemos, no canal YT do Portal E.M. Cioran Brasil, o prof. Leobardo Villegas, da Universidad Autónoma de Zacatecas (Mex), para uma live tertúlia sobre um… Continue lendo Heresia existencial e outros temas, a propósito de Cioran: Tertúlia com José Luis Álvarez LOPEZTELLO

“Visões de anjos” (Harold Bloom)

Os anjos são tudo, menos imagens efêmeras. A sequência histórica de religiões ocidentais -- zoroastrismo, judaísmo, cristianismo, Islã -- não soube contar a história de suas verdades sem intercessões angélicas, nem há grande tradição religiosa, oriental ou ocidental, que não dependa de anjos. A vida espiritual, expressa no culto ou na prece, na contemplação privada… Continue lendo “Visões de anjos” (Harold Bloom)

A música de Bach (Emil Cioran)

A CHAVE DA MÚSICA DE BACH: o desejo de evadir-se do tempo. A humanidade não conheceu outro gênio que tenha apresentado com maior pathos o drama da queda no tempo e a nostalgia do paraíso perdido. As evoluções de sua música dão uma grandiosa sensação de ascensão em espiral até os céus. Com Bach nos… Continue lendo A música de Bach (Emil Cioran)