“Emil Cioran y Albert Cossery: dos apologistas de la pereza lúcida” – Belén N. VALDÉS; José Luis A. LOPEZTELLO

ANALE SERIA DREPT, Volumul XXX, 2021 Abstract: This paper has suggested introducing in the reflections of two authors that imply their dislike for the most fetishized ideals of Western civilization. Emil Cioran and Albert Cossery share a radical way of deconfiguring the pamemas that have supported our culture. However, despite his notable spiritual affinities (such… Continue lendo “Emil Cioran y Albert Cossery: dos apologistas de la pereza lúcida” – Belén N. VALDÉS; José Luis A. LOPEZTELLO

“Ne te quaesiveris extra: Bloom, Cioran e a autodependência” – Rodrigo Menezes

Apenas dura aquilo que foi concebido na solidão, diante de Deus, quer sejamos crentes quer não.CIORAN, Do inconveniente de ter nascido, p. 54. Crer em Deus nos dispensa de crer em qualquer outra coisa – o que é uma vantagem inestimável. Sempre invejei os que creem nele, ainda que crer-se Deus me pareça mais fácil do… Continue lendo “Ne te quaesiveris extra: Bloom, Cioran e a autodependência” – Rodrigo Menezes

Terrorismos Metafísicos de Lautréamont e Cioran – Lucas C. Almeida Rocha 🇧🇷

https://www.youtube.com/watch?v=vTWptw6PWM8&t=739s Há quem diga que, para muito além da Filosofia, há em Cioran uma certa poética. Sua obra não se sustenta unicamente em sua temática, mas também na estética na qual ela se funda. Em decorrência da complexidade estilística e formal de sua prosa, somos obrigados a não posicionar este vampiro do Paradoxo meramente ao… Continue lendo Terrorismos Metafísicos de Lautréamont e Cioran – Lucas C. Almeida Rocha 🇧🇷

Biografia de Cioran comentada e ilustrada: os anos romenos (1911-1937) | Live temática no YT

Começa-se normalmente pelo "segundo nascimento de Cioran", conforme se refere Patrice Bollon ao marco divisor da obra, o Breviário de decomposição, o premiado livro de estreia do autor romeno em língua francesa, desconhecendo em maior ou menor medida a biografia pregressa do pensador transilvano, muitas vezes ignorando que, antes de adotar o francês como língua… Continue lendo Biografia de Cioran comentada e ilustrada: os anos romenos (1911-1937) | Live temática no YT

Cioran: “Política da Heresia Permanente” – Patrice BOLLON

"O jovem Cioran não é menos herético no plano político. Se a vontade de grandeza à qual ele incita parece encontrar sua ilustração 'natural' no hitlerismo dos anos 1933-35, ela pode muito bem comportar, para ele, um bolchevismo 'bem compreendido'. Todo Schimbarea [Transfiguração da Romênia] ressoa declarações de admiração a Lenin e à revolução russa,… Continue lendo Cioran: “Política da Heresia Permanente” – Patrice BOLLON

“Para mí, Cioran era un dandy intelectual”: entrevista a Patrice Bollon

1. ¿Cómo llegó a conocer la obra de Cioran? No me acuerdo exactamente como llegue a conocer el nombre de Cioran. Sin duda en un artículo de prensa; que me incitó a comprar a comienzos de los años 1970 la edición de bolsillo de Précis de décomposition –la cual conservo hasta ahora–. En ese entonces… Continue lendo “Para mí, Cioran era un dandy intelectual”: entrevista a Patrice Bollon

Le jeune Cioran, déjà percutant

LE TEMPS, 7 janvier 2016 Avant de devenir l'esthète du désespoir exilé à Paris, ce «prince de l'aphorisme» a été, dans la Roumanie des années 30, un polémiste énergique. Emil Cioran. Solitude et destin. Trad. de Alain Paruit. Gallimard, 420 p. À sa disparition, en juin 1995, Cioran eut droit au tapis rouge. On encensa… Continue lendo Le jeune Cioran, déjà percutant

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 2] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Na primeira parte do livro, "Uma juventude entre desespero e fervor político", Fiore perfaz o itinerário de formação do jovem Cioran na Romênia da década de 30, explorando a dualidade de uma juventude dividida entre o desespero existencial e o fervor político. Não se faz política nos cumes do desespero. Schimbarea la faţă a României… Continue lendo Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 2] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Um místico sem absoluto: “Cioran, l’hérétique”, de Patrice Bollon – Rodrigo Menezes

A biografia crítica de Patrice Bollon, Cioran, l’hérétique (1997) não acrescenta muita coisa, no que concerne ao tema da religião e da mística, em relação ao ensaio de Jaudeau (1990) – antes reitera o que já havia sido intuído e apontado pela antecessora (por exemplo, que se trata de um gnóstico sem deus e sem… Continue lendo Um místico sem absoluto: “Cioran, l’hérétique”, de Patrice Bollon – Rodrigo Menezes

“Um pensamento religioso heterodoxo” – Rodrigo Menezes

Eu não gostaria de viver em um mundo esvaziado de todo sentimento religioso. Eu não penso na fé, mas nessa vibração interior que, independente de qualquer crença, vos projeta em Deus, e às vezes acima.Écartèlement (1979) Clément Rosset e Fernando Savater estão de acordo sobre Cioran em ao menos um ponto. Segundo Rosset, o amigo… Continue lendo “Um pensamento religioso heterodoxo” – Rodrigo Menezes