ZHUANGZI: The Sage of Uncertainty

Perhaps I am a bit of a philosopher, inasmuch as, in favor of my ills, I have endeavored to always advance to ever higher degrees of insecurity.Cioran, letter to Fernando Savater "As for Cioran's skepticism, it is of such a parti-pris that it is hardly dramatic. What to think of a spirit that says: “Nothing… Continue lendo ZHUANGZI: The Sage of Uncertainty

“Dogma, Dúvida & outras paixões ‘demasiado humanas’: Skandalon-Cioran”

https://www.youtube.com/watch?v=GVAi6kskBeg&t=2007s Cioran angariou bons amigos e boas amigas, leitores e leitoras mais ou menos distantes, e igualmente dedicados, com os quais manteve uma robusta correspondência epistolar. Mas também angariou muitos desafetos, difamadores, detratores e críticos empedernidos, inclusive no Brasil (vide Augusto Frederico Schmidt). O autor romeno de expressão francesa, espírito idiossincrático e excêntrico, é capaz… Continue lendo “Dogma, Dúvida & outras paixões ‘demasiado humanas’: Skandalon-Cioran”

“La storia della ricezione brasiliana di Cioran: 1949-1950” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Il contributo dello studioso Rodrigo Inácio R. Sá Menezes [1] traccia la storia della ricezione dell’opera di Cioran in Brasile, dalla sua prima menzione giornalistica, agli inizi del 1949. Vengono presi in esame i riferimenti a Cioran nei giornali brasiliani prima della consegna del Premio Rivarol e della pubblicazione di Précis de décomposition, presso Gallimard, e… Continue lendo “La storia della ricezione brasiliana di Cioran: 1949-1950” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“O desespêro como mercadoria” – Pierre-Henri SIMON

Tribuna da Imprensa, Rio de Janeiro, ano IV, no 785, 19-20 de julho 1952 Há épocas em que se gosta das coisas adocicadas. Os homens de 1900 ainda não tinham acabado de chupar as uvas do fauno malarmeniano, de mordiscar as peras do pomar de Anna de Noailles, de aspirar os doces polens das florezinhas… Continue lendo “O desespêro como mercadoria” – Pierre-Henri SIMON