“Obsessão do Essencial”: navegação temerária, naufrágio e horizontes de libertação em Cioran

"E il naufragar m'è dolce in questo mare"LEOPARDI, "L'Infinito" Para dar voz às suas experiências capitais e às suas “obsessões essenciais”, Cioran amiúde recorre a metáforas religiosas e míticas, a uma linguagem mística e/ou metafísica: “Queda” (no tempo, do tempo), “despertar” (éveil), “êxtase da existência pura, das raízes imanentes da vida”,[1] “êxtase como exaltação na… Continue lendo “Obsessão do Essencial”: navegação temerária, naufrágio e horizontes de libertação em Cioran

OSMAIR CÂNDIDO: a história do Coveiro Filósofo

Revista Piauí, 18 de junho de 2021 Sepultador narra de que forma a filosofia alemã o ajuda a enfrentar os horrores da pandemia, como tirar o caixão de um filho das mãos da mãe ou enterrar doze pessoas no mesmo dia Osmair Cândido, 60, é coveiro há mais de quarenta anos. Conhecido como Fininho por… Continue lendo OSMAIR CÂNDIDO: a história do Coveiro Filósofo

Aforismos & textos comentados: “Obsessão do Essencial”

  Todos os itinerários para fora do mundo reconduzem de volta a ele: o centrífugo é centrípeto. O tema desta primeira vídeo-análise de aforismos & textos de Cioran é "Obsessão do Essencial", um texto-chave importantíssimo no conjunto do Breviário de decomposição, livro de estreia em francês do autor de origem romena, pois uma chave de… Continue lendo Aforismos & textos comentados: “Obsessão do Essencial”

Chestov sobre Spinoza e Dostoiévski

Dostoievsky não era um historiador; não era obrigado a acreditar que tudo o que começa aqui tem de acabar cá. Lembramo-nos que ele procurava realizar o que lhe era mais caro, o seu capricho, na segunda dimensão do tempo, fora da história. Lá, julgava ele, a parede deixa de ser uma parede, «dois vezes dois… Continue lendo Chestov sobre Spinoza e Dostoiévski

Prefácio a “Revelações da Morte”, de Chestov – Jorge de SENA

Léon Chestov – pseudónimo de Lev Isaakovitch Chvartsman – nasceu em 1866, em Kiev, capital da Ucrânia e uma das mais antigas e prestigiosas cidades da civilização russa; aí, oriundo de rica família judaica, estudou direito; tomando posição contra a Revolução de 1917, emigrou para a França em 1920, onde são publicados em francês estudos… Continue lendo Prefácio a “Revelações da Morte”, de Chestov – Jorge de SENA

“A luta contra as evidências (2)” (Lev Chestov)

Surgunt indocti et rapiunt coelum! Para arrebatar o céu, é preciso renunciar ao saber, aos princípios primeiros, que bebemos no leite materno. E mais. É preciso, conforme tivemos ocasião de nos convencermos ao ler as frases anteriormente citadas, renunciar na generalidade às ideias, quer dizer, pôr em dúvida o seu maravilhoso poder de transmutar em… Continue lendo “A luta contra as evidências (2)” (Lev Chestov)

“A luta contra as evidências” (Chestov)

"QUEM SABE?" -- diz Eurípedes -- "Talvez a vida seja a morte, e a morte a vida." Estas palavras, Platão, em um dos seus diálogos, fá-las repetir a Sócrates, o mais sábio dos homens, o criador da teoria das ideias gerais e o primeiro a considerar a nitidez e a claridade dos nossos juízos como… Continue lendo “A luta contra as evidências” (Chestov)

“As revelações da morte” – CHESTOV

DOSTOIEVSKY CUMPRIU A PENA; terminou, também, o serviço militar. Está em Tver, e depois em Petersburgo. Tudo quanto espera se realiza. Sobre ele estende-se a imensa cúpula celeste. É um homem livre, como aqueles cuja sorte invejara, quando acorrentado. Resta-lhe pôr em prática as promessas que a si próprio fez. Devemos acreditar que Dostoievsky não… Continue lendo “As revelações da morte” – CHESTOV

Excerto: “As revelações da morte” (Lev Chestov)

Folha de S.Paulo, terça-feira, 14 de março de 1978 Já tive ocasião de apontar que em Plotino encontramos a melhor, ou antes, a mais completa definição de filosofia. A pergunta - que é filosofia? - ele responde: - "To timiotaton" (o que mais importa). Essa definição destrói, logo de início e, ao que parece, não… Continue lendo Excerto: “As revelações da morte” (Lev Chestov)

Lev Shestov (Leandro Marcio)

Existencialista russo, cuja obra permanece inédita no Brasil, criticou a filosofia especulativa e pensou em Deus como absurdo. “Shestov, de quem fiz reeditar As revelações da morte, quando fui nomeado, durante alguns meses, diretor de uma coleção na editora Plon, desempenhou papel importante na minha vida. Mantenho-me fiel a ele, apesar de não ter alcançado a… Continue lendo Lev Shestov (Leandro Marcio)