“Náusea em Londres” – Richard RORTY

Caderno Mais!, Folha de S. Paulo, 5 de fevereiro de 2006 A partir da análise do romance "Sábado", de Ian McEwan, o filósofo norte-americano Richard Rorty defende que o Ocidente abriu mão de seus ideais para "pensar pequeno" Quando não puderam mais acreditar na imortalidade da alma, muitos ocidentais trocaram o projeto de alcançar o… Continue lendo “Náusea em Londres” – Richard RORTY

“Richard Rorty e a filosofia sem fundamentos” – Edna Magalhães do NASCIMENTO

Cognitio-Estudos - Revista eletrônica de filosofia, v. 17 n. 1 (2020) Resumo: O objetivo deste trabalho consiste em compreender a reflexão desenvolvida por Rorty acerca de uma filosofia sem fundamentos. A obra de Rorty foi caracterizada por muitos de seus estudiosos como tendo um eixo duplo de propósitos que combina: primeiro, uma tarefa crítica de… Continue lendo “Richard Rorty e a filosofia sem fundamentos” – Edna Magalhães do NASCIMENTO

“Anticlericalism and Atheism” – Richard RORTY

Some day, intellectual historians may remark that the twentieth century was the one in which the philosophy professors began to stop asking bad questions—questions like “What really exists?” “What are the scope and limits of human knowledge?” and “How does language hook up with reality?” These questions assume that philosophy can be done ahistorically. They… Continue lendo “Anticlericalism and Atheism” – Richard RORTY

“Filosofía y futuro” – Richard RORTY

Supongan que hemos reformulado nuestro mapa del universo o nuestras instituciones políticas o la idea que tenemos acerca del sentido de nuestra vida: hemos cambiado todo esto de forma que ahora parece muy superior a lo que teníamos antes. ¿Deberíamos decir entonces que hemos logrado una visión correcta del universo, de la política o de… Continue lendo “Filosofía y futuro” – Richard RORTY

“Scepticisme, ironie et pragmatisme dans la philosophie de Richard Rorty” – Olivier TINLAND

Raison Publique, 2016/1, n° 20 En assumant ouvertement, aussitôt après la publication de Philosophy and the Mirror of Nature, son rattachement au mouvement philosophique du pragmatisme, Richard Rorty a choisi de s’inscrire dans un courant historiquement inséparable, depuis Peirce, d’une critique vigoureuse et souvent convaincante des présupposés du scepticisme moderne, au nom d’une conception antifondationaliste et faillibiliste de… Continue lendo “Scepticisme, ironie et pragmatisme dans la philosophie de Richard Rorty” – Olivier TINLAND

“Do ennui ao êxtase: Cioran e o sentimento religioso da existência” – Rodrigo MENEZES

Quanto mais perco minha fé no mundo, mais estou em Deus, sem crer nele. – Será uma doença misteriosa, ou uma nobreza do espírito e do coração, que te faz ser ao mesmo tempo cético e místico?CIORAN, Amurgul gândurilor [O Crepúsculo dos Pensamentos] (1940) A acusação de “irracionalismo” oculta, muitas vezes, a defesa de um… Continue lendo “Do ennui ao êxtase: Cioran e o sentimento religioso da existência” – Rodrigo MENEZES

“O Mal no Pensamento Moderno (introdução)” – Susan NEIMAN

Os aspectos das coisas que são mais importantes para nós ficam escondidos devido a sua simplicidade e familiaridade. (É impossível perceber qualquer coisa — porque ela está sempre diante dos olhos.) As verdadeiras bases de sua investigação não surpreendem em nada. — E isso significa: deixamos de ser afetados por aquilo que, uma vez visto,… Continue lendo “O Mal no Pensamento Moderno (introdução)” – Susan NEIMAN

“O conceito de contingência em Richard Rorty” – Matêus Ramos CARDOSO

Seminário de Filosofia e Sociedade, UNESC, v. 1, n. 1 (2017) RESUMO: No filósofo Richard Rorty a defesa do conceito de contingência se amplia, uma vez que, segundo ele, a contingência é uma característica definitiva da nossa realidade. Assim, o conceito de contingência em Richard Rorty propõe uma nova visão de como a filosofia pode buscar… Continue lendo “O conceito de contingência em Richard Rorty” – Matêus Ramos CARDOSO

“The Contingency of Selfhood” – Richard RORTY

As I was starting to write on the topic of this chapter, I came across a poem by Philip Larkin which helped me pin down what I wanted to say. Here is the last part of it: And dace you have walked the length of your mind, what You command is as clear as a… Continue lendo “The Contingency of Selfhood” – Richard RORTY

O Belo & a Consolação – Richard RORTY

Como escreveu alguém num blog: «A uma dada altura a SIC passou aquele que talvez tenha sido o melhor programa de televisão alguma vez feito.» Entre 1 de maio de 2001 e 15 de maio de 2002 e depois repetido em 2006 a SIC, na rubrica (quinzenal) "Noites Longas", apresentou um programa de entrevistas que… Continue lendo O Belo & a Consolação – Richard RORTY