“Cioran, ingênuo e sentimental”, de Ion Vartic – Rodrigo MENEZES

RESENHA: VARTIC, Ion. Cioran, ingenuo y sentimental. Trad. do romeno de Francisco Javier Marina (título original: "Cioran, naiv şi sentimental"). Zaragoza: Mira Editores, 2009. O ensaio de crítica literária e psicológica de Ion Vartic sobre Cioran parte das noções schillerianas de "ingênuo" e "sentimental" para definir o "tipo psicológico" do escritor romeno radicado em Paris.… Continue lendo “Cioran, ingênuo e sentimental”, de Ion Vartic – Rodrigo MENEZES

Os escrúpulos do niilista: Ivan Karamazov devolve o bilhete

Pois bem, vive o general em sua fazenda de duas mil almas (Assim eram chamados os servos camponeses), cheio de arrogância, tratando por cima dos ombros seus vizinhos, pequenos proprietários, como seus parasitas e palhaços. Tem um canil com centenas de cães e quase uma centena de seus cuidadores todos uniformizados, todos a cavalo. E… Continue lendo Os escrúpulos do niilista: Ivan Karamazov devolve o bilhete

“Caindo da redenção: escrever e pensar para além da salvação em Baudelaire, Cioran, Fondane, Agamben e Nancy” (Joseph Acquisto)

Muito embora decididamente ateísta em sua orientação, os desenvolvimentos recentes na teoria literária e na filosofia continental suscitaram um interesse renovado pelo teológico. Na aurora de estudos como o de Charles Taylor, Uma era secular, os estudiosos colocaram em questão a hipótese da secularização pela qual o nascimento da modernidade no Ocidente representou uma ruptura… Continue lendo “Caindo da redenção: escrever e pensar para além da salvação em Baudelaire, Cioran, Fondane, Agamben e Nancy” (Joseph Acquisto)

“De inutensílios e dessantidades: a palavra poética em Manoel de Barros e Cioran” – Rodrigo MENEZES

Ninguém é pai de um poema sem morrer.Manoel de Barros Se leio um livro e ele torna o meu corpo tão frio que nenhum fogo seria jamais capaz de me aquecer, eu sei que aquilo é poesia. Se eu sinto, fisicamente, como se o topo de minha cabeça tivesse sido arrancado, eu sei que aquilo é poesia.Emily Dickinson CIORAN NÃO TEVE a oportunidade de conhecer este gigante, e… Continue lendo “De inutensílios e dessantidades: a palavra poética em Manoel de Barros e Cioran” – Rodrigo MENEZES