“Jesus e JavĂ©: os nomes divinos” – Harold BLOOM

JavĂ©, desde Filo de Alexandria atĂ© o presente, tem sido continuamente alegorizado, mas apresenta uma tenacidade sublime, e nĂŁo pode ser despojado das caracterĂ­sticas absolutamente humanas de sua personalidade e de seu carĂĄter. Supondo-se que JavĂ© tenha optado pelo exĂ­lio, ou por se ocultar do aqui e agora, ou que talvez seja culpado de deserção,… Continue lendo “Jesus e JavĂ©: os nomes divinos” – Harold BLOOM

Publicidade

“Harold Bloom: a crĂ­tica literĂĄria como salvaguarda da humanidade em meio Ă  intempĂ©rie” – Sigifredo Esquivel MARÍN

Presenciamos a banalização de todas as coisas, pessoas e experiĂȘncias. Tudo vale o mesmo, ou seja, nada vale mais ou menos, nada importa efetivamente, e assim o mercado acaba por impor os seus critĂ©rios e cĂąnones. Por isso, nesta era de uniformidade cinzenta, exceçÔes e singularidades tendem a se diluir em tons soft, assĂ©pticos e… Continue lendo “Harold Bloom: a crĂ­tica literĂĄria como salvaguarda da humanidade em meio Ă  intempĂ©rie” – Sigifredo Esquivel MARÍN

“Lo que nunca dijo Cioran” – Alexis RODRÍGUEZ

TRIPTICUM, 23 de abril 2022 SĂ© que no leerĂĄs esta carta y que tan solo el milagro de la resurrecciĂłn podrĂ­a alterar el curso de las cosas. AsĂ­ que este escrito serĂĄ como lanzar una triste confesiĂłn al oĂ­do de la almohada o un suspiro al sordo batir de las olas del mar. Nunca recibirĂ©… Continue lendo “Lo que nunca dijo Cioran” – Alexis RODRÍGUEZ

“A Ficção CĂ©tica” – Gustavo BERNARDO

Annablume, 2004 Dubito ergo sum, vel quod item est, cogito ergo sum, disse RenĂ© Descartes, mostrando que pensar Ă© a mesma coisa que duvidar. O ensaio A ficção cĂ©tica parte dessa sentença para discutir a presença do ceticismo na literatura, entendendo-o constitutivo e essencial. A discussĂŁo interessa Ă queles que estudam Literatura, Filosofia, HistĂłria e Comunicação, mas tambĂ©m… Continue lendo “A Ficção CĂ©tica” – Gustavo BERNARDO

“O equĂ­voco do gĂȘnio” – CIORAN

Toda inspiração procede de uma faculdade de exagero: o lirismo – e todo o mundo da metĂĄfora – seria uma excitação lamentĂĄvel sem esse ardor que incha as palavras atĂ© fazĂȘ-las estourar. Quando os elementos ou as dimensĂ”es do cosmo parecem demasiado reduzidos para servir de termos de comparação a nossos estados, a poesia sĂł… Continue lendo “O equĂ­voco do gĂȘnio” – CIORAN

Cioran e Keats: o imperativo da intensidade e poéticas do grotesco

Segundo o tradutor PĂ©ricles EugĂȘnio da Silva Ramos, o princĂ­pio da intensidade desempenha um papel fundamental na poĂ©tica de John Keats (1795-1821). Em 21 de dezembro de 1817, o poeta inglĂȘs escreveria, em carta ao irmĂŁo George, que "a excelĂȘncia de toda arte estĂĄ em sua intensidade, capaz de fazer o desagradĂĄvel ('all desagreeables') evaporar… Continue lendo Cioran e Keats: o imperativo da intensidade e poĂ©ticas do grotesco

Prioridade, Autoridade, AngĂșstia da InfluĂȘncia – Harold BLOOM

Nietzsche e Freud sĂŁo, atĂ© onde me Ă© dado ver, as influĂȘncias bĂĄsicas na teoria da influĂȘncia apresentada neste livro. Nietzsche Ă© o profeta do antitĂ©tico, e sua Genealogia da moral Ă© o mais profundo estudo de que disponho das tensĂ”es revisionĂĄrias e ascĂ©ticas no temperamento estĂ©tico. As investigaçÔes por Freud dos mecanismos de defesa… Continue lendo Prioridade, Autoridade, AngĂșstia da InfluĂȘncia – Harold BLOOM

“Estamos nos tornando uma teocracia”: entrevista com Harold BLOOM

Folha de S. Paulo, 24/09/2005 "Creio que sou religioso, mas de um modo herĂ©tico. Acho que em algum lugar, alĂ©m deste reino, alĂ©m do nosso cosmo, haja um sonho em exĂ­lio, um princĂ­pio divino, e acho que hĂĄ um fragmento disso em cada ser humano, mas este se acha enterrado tĂŁo fundo, tĂŁo oculto no… Continue lendo “Estamos nos tornando uma teocracia”: entrevista com Harold BLOOM

“Self-Reliance or Mere Gnosticism” – Harold BLOOM

https://www.youtube.com/watch?v=b04zs6QHuWM I am to invite men drenched in Time to recover themselves and come out of time, and taste their native immortal air.– RALPH WALDO EMERSON https://www.youtube.com/watch?v=PLPazL-wcwM&t=4s If you seek yourself outside yourself, then you will encounter disaster, whether erotic or ideological. That must be why Ralph Waldo Emerson, in his  central  essay,  “Self-Reliance”  (1840),… Continue lendo “Self-Reliance or Mere Gnosticism” – Harold BLOOM

Who Was The Real King MacBeth? | The Real MacBeth | Timeline

https://www.youtube.com/watch?v=xq75Cl_osxk&t=1088s The real Scottish king Macbeth was a far cry from the great Shakespearean villain, but his story was even more fascinating, presenter Tony Robinson discovers in his continuing series which uncovers the myths behind legendary British heroes. The original and real King Macbeth lived in the 11th century and reigned from 1040 to 1057.… Continue lendo Who Was The Real King MacBeth? | The Real MacBeth | Timeline