“No balanço do tédio: Heidegger e o tédio como tonalidade afetiva fática” – Marco Antonio CASANOVA

O que nos faz pensar, PUC-RIO, [S.l.], v. 29, n. 47, p. 79-107, dec. 2020. ISSN 0104-6675. [PDF] RESUMO: O intuito do presente texto é acompanhar as razões pelas quais Heidegger retoma em sua preleção de 1929/30 Os conceitos fundamentais da metafísica (mundo – finitude – solidão) o projeto de Ser e tempo de uma análise do existente humano… Continue lendo “No balanço do tédio: Heidegger e o tédio como tonalidade afetiva fática” – Marco Antonio CASANOVA

Publicidade

“Sobre o vazio interior” – CIORAN

Cînd în lume simÅ£i inutilitatea oricărui efort şi cînd timpul nu mai are nici o semnificaÅ£ie creatoare, mai lipseşte numai cadrul obiectiv, mediul exterior pentru a avea deplin senzaÅ£ia unui vid interior absolut. În acele înserări de iarnă, cînd noaptea roade din zi ca un cancer, cînd prin geam nu Å£i se deschide decît perspectiva… Continue lendo “Sobre o vazio interior” – CIORAN

“A solidão do ser humano: de Pascal a Nietzsche” – Hans JONAS

Há mais de duas gerações, Nietzsche disse que estava chegando o niilismo, “o mais inquietante de todos os hóspedes”. Entrementes, o hóspede entrou em casa e deixou de ser hóspede, e no tocante à filosofia o existencialismo tenta conviver com ele. Viver em tal companhia significa viver em crise. Os inícios da crise remontam ao… Continue lendo “A solidão do ser humano: de Pascal a Nietzsche” – Hans JONAS

“Ah quanta melancolia!” – Fernando PESSOA

Ah quanta melancolia!Quanta, quanta solidão!Aquela alma, que vazia,Que sinto inútil e friaDentro do meu coração! Que angústia desesperada!Que mágoa que sabe a fim!Se a nau foi abandonada,E o cego caiu na estrada —Deixai-os, que é tudo assim. Sem sossego, sem sossego,Nenhum momento de meuOnde for que a alma emprego —Na estrada morreu o cegoA nau… Continue lendo “Ah quanta melancolia!” – Fernando PESSOA

“A liberdade é a possibilidade do isolamento” – Bernardo SOARES

A liberdade é a possibilidade do isolamento. És livre se podes afastar-te dos homens, sem que te obrigue a procurá-los a necessidade de dinheiro, ou a necessidade gregária, ou o amor, ou a glória, ou a curiosidade, que no silêncio e na solidão não podem ter alimento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo.… Continue lendo “A liberdade é a possibilidade do isolamento” – Bernardo SOARES

“Uma pedagogia da solidão em Nietzsche” – Fabiano de Lemos BRITTO

Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 26, n. 51, p. 251-262, jan./jun. 2012. Resumo: O artigo pretende investigar de que forma a relação entre o cosmopolitismo, tal como foi elaborado como tarefa ética por Kant e os herdeiros da Aufklärung, e a ideia de cultura e educação (Bildung) foi redimensionada e modificada nos textos de Nietzsche,… Continue lendo “Uma pedagogia da solidão em Nietzsche” – Fabiano de Lemos BRITTO

“Ne te quaesiveris extra: Bloom, Cioran e a autodependência” – Rodrigo Menezes

Apenas dura aquilo que foi concebido na solidão, diante de Deus, quer sejamos crentes quer não.CIORAN, Do inconveniente de ter nascido, p. 54. Crer em Deus nos dispensa de crer em qualquer outra coisa – o que é uma vantagem inestimável. Sempre invejei os que creem nele, ainda que crer-se Deus me pareça mais fácil do… Continue lendo “Ne te quaesiveris extra: Bloom, Cioran e a autodependência” – Rodrigo Menezes

Imagens de Deus no Livro das Ilusões (1936), de Emil Cioran

A ideia fixa do sistema não é menos suspeita quando se aplica ao estudo dos místicos. Trata-se de uma atitude ainda tolerável no caso de Mestre Eckhart, porque ele próprio teve o cuidado de disciplinar o seu pensamento: pois não era ele um pregador? [..] Mas que dizer de um Angelus Silesius, cujos dísticos se… Continue lendo Imagens de Deus no Livro das Ilusões (1936), de Emil Cioran

“A preocupação com a decência” – CIORAN

Sob o aguilhão da dor, a carne desperta; matéria lúcida e lírica, canta sua dissolução. Enquanto era indiscernível da natureza, repousava no esquecimento dos elementos: o eu ainda não havia se apoderado dela. A matéria que sofre emancipa-se da gravitação, não é mais solidária do resto do universo, isola-se do conjunto adormecido; pois a dor,… Continue lendo “A preocupação com a decência” – CIORAN

“Restauração de um culto” – E.M. Cioran

Como gastei minha qualidade de homem, nada me é mais de nenhum proveito. Só vejo por toda parte carneiros com ideal que se ajuntam para balir suas esperanças… Mesmo os que nunca viveram juntos, são empurrados para o rebanho, como fantasmas, pois com que outro fim concebeu-se a “comunhão” dos santos?… Em busca de um… Continue lendo “Restauração de um culto” – E.M. Cioran