“Nietzsche, una ética de la superficie” (Alfredo Abad)

El profesor de la UTP habla de ese tema tan esencial en Nietzsche, y actualizado por Cioran a su manera: la ética de la superficie, "por exceso de profundidad". https://www.youtube.com/watch?v=-M7pGJLq7N8&feature=youtu.be

“Estatuto paradoxal da pele e cultura contemporânea: da porosidade à pele-teflon” (Maria Cristina Franco Ferraz)

Galaxia (São Paulo, Online), n. 27, p. 61-71, jun. 2014 Resumo: A exploração do estatuto paradoxal da pele – interface dentro/fora – permite ultrapassar a dicotomia metafísica superfície/profundidade, problematizando a tendência atual, também expressa na teoria, a um elogio das superfícies e a um horror por oposições dicotômicas. Possibilita avaliar as implicações do fechamento da… Continue lendo “Estatuto paradoxal da pele e cultura contemporânea: da porosidade à pele-teflon” (Maria Cristina Franco Ferraz)

A Grande Dor: Amor Fati (Nietzsche)

1. Freqüentemente me perguntei se não tenho um débito mais profundo com os anos mais difíceis de minha vida do que com outros quaisquer. Minha natureza íntima me ensina que tudo necessário, visto do alto e no sentido de uma grande economia, é também vantajoso em si -- deve-se não apenas suportá-lo, deve-se amá-lo... Amor… Continue lendo A Grande Dor: Amor Fati (Nietzsche)

“Civilização e frivolidade” (E.M. Cioran)

Como suportaríamos a massa e a profundidade gasta das obras e das obras-primas, se espíritos impertinentes e deliciosos não houvessem acrescentado à sua trama as franjas de um desprezo sutil e de ironias espontâneas? E como poderíamos suportar os códigos, os costumes, os parágrafos do coração que a inércia e a conveniência superpuseram aos vícios… Continue lendo “Civilização e frivolidade” (E.M. Cioran)