“Traços gnĂłsticos na Modernidade filosĂłfica e literĂĄria: Cioran, Camus, Bloom” – Rodrigo MENEZES

DossiĂȘ temĂĄtico do minicurso on-line Filosofia, Literatura e Gnose, ministrado por Juliano Garcia Pessanha e Rodrigo InĂĄcio R. SĂĄ Menezes. SĂŁo Paulo, Brasil, novembro/dezembro de 2022. “I think there may be something wrong with this world.Either that or there’s something wrong with me”.[1] DOLORES (personagem androide da sĂ©rie Westworld) “Life’s but a walking shadow, a… Continue lendo “Traços gnĂłsticos na Modernidade filosĂłfica e literĂĄria: Cioran, Camus, Bloom” – Rodrigo MENEZES

Publicidade

Holocausto: como nĂŁo repetir os erros do passado | DW

https://www.youtube.com/watch?v=kfVGjvQbeX4 Cultura da memĂłria: como aprender com a histĂłria para nĂŁo repetir os erros do passado? O Camarote.21 desta semana fala sobre como os alemĂŁes lidam com a culpa do nazismo; como netos e bisnetos de sobreviventes do Holocausto se engajam para que o passado nĂŁo seja esquecido; e como um projeto na África do… Continue lendo Holocausto: como nĂŁo repetir os erros do passado | DW

“Em nome do medo” – MOONSPELL đŸŽ¶

"Em nome do medo" Ă© uma canção da banda portuguesa de heavy metal Moonspell que tem como tema o notĂłrio terremoto de Lisboa. Apesar de Moonspell ter um ĂĄlbum intitulado 1755 (ano do fatĂ­dico terremoto), esta faixa pertence a outro ĂĄlbum da banda: Alpha Noir (2012). O terremoto provocou dois tipos de reação opostas na sociedade… Continue lendo “Em nome do medo” – MOONSPELL đŸŽ¶

“Perdas: o fim das teodicĂ©ias modernas” – Susan NEIMAN

Muitas vezes alega-se que Auschwitz acabou com as crenças anteriores de que o progresso era inevitĂĄvel, mas tais alegaçÔes pressupĂ”em uma ingenuidade que poucos textos conseguem suportar. Vimos o ceticismo quanto Ă  capacidade da humanidade de melhorar permear a obra de pensadores iluministas tĂŁo profundamente opostos entre si quanto Voltaire e Rousseau. Em 1794, ao… Continue lendo “Perdas: o fim das teodicĂ©ias modernas” – Susan NEIMAN

“Schopenhauer: o mundo como tribunal” – Susan NEIMAN

Considerem Schopenhauer um ponto de exclamação. Ele estava fora de sintonia com sua Ă©poca, um sĂ©culo que via esforçando-se para se livrar de Kant e brindar Ă  saĂșde de Leibniz (Schopenhauer 1:510). Kant deu expressĂŁo metafĂ­sica Ă  crise e Ă  fratura. Aqueles que o sucederam buscaram curĂĄ-la. Velhos modelos de ProvidĂȘncia eram incapazes de sobreviver… Continue lendo “Schopenhauer: o mundo como tribunal” – Susan NEIMAN

“Fogo no CĂ©u” – Susan NEIMAN

A filosofia nĂŁo faz nenhum segredo disso. A confissĂŁo de Prometeu, “Em uma palavra, odeio todos os deuses”, Ă© sua prĂłpria confissĂŁo, sua prĂłpria frase contra todos os deuses celestes e terrenos que se recusam a reconhecer a autoconsciĂȘncia humana como a suprema divindade — ao lado da qual nenhuma outra deveria existir.— Marx, Dissertação… Continue lendo “Fogo no CĂ©u” – Susan NEIMAN

“Restos: Camus, Arendt, Teoria CrĂ­tica, Rawls” – Susan NEIMAN

Em um tributo ao rei Afonso, Hans Blumenberg escreveu que a era moderna começou com um ato de teodicĂ©ia (Blumenberg 2, 307). SerĂĄ que ela termina com a percepção de que qualquer ato desse tipo Ă© inĂștil? A reflexĂŁo polĂ­tica e histĂłrica sobre casos especĂ­ficos de mal e a esperança de uma resistĂȘncia especĂ­fica que… Continue lendo “Restos: Camus, Arendt, Teoria CrĂ­tica, Rawls” – Susan NEIMAN

“O Mal no Pensamento Moderno (introdução)” – Susan NEIMAN

Os aspectos das coisas que sĂŁo mais importantes para nĂłs ficam escondidos devido a sua simplicidade e familiaridade. (É impossĂ­vel perceber qualquer coisa — porque ela estĂĄ sempre diante dos olhos.) As verdadeiras bases de sua investigação nĂŁo surpreendem em nada. — E isso significa: deixamos de ser afetados por aquilo que, uma vez visto,… Continue lendo “O Mal no Pensamento Moderno (introdução)” – Susan NEIMAN

Divina ImpotĂȘncia e a “Carreira Triunfal do Mal”: Cioran e o AteĂ­smo MĂ­stico como Sabedoria da Insegurança

Cioran concorda com Arthur Schopenhauer em que a filosofia nĂŁo tem o seu ponto de partida em um eventual maravilhamento, cheio de graça e jĂșbilo, diante do "milagre" do Ser, da evidĂȘncia de que "algo Ă©", "hĂĄ seres e ser", sempre em devir, devindo, fluindo, confluindo, em sua ininterrupta duração (la durĂ©e, segundo Bergson). O… Continue lendo Divina ImpotĂȘncia e a “Carreira Triunfal do Mal”: Cioran e o AteĂ­smo MĂ­stico como Sabedoria da Insegurança

Camus’s The Plague: Nazism and Metaphysical Evil (Susan Neiman)

A night watchman makes a brief appearance in Camus’s novel The Plague. The man never failed to remind everyone he met that he’d foreseen what was happening. Tarrou agreed he’d predicted a disaster, but reminded him that the event predicted by him was an earthquake. To which the old fellow replied: “Ah, if only it… Continue lendo Camus’s The Plague: Nazism and Metaphysical Evil (Susan Neiman)