“Chuang Tzu e a borboleta em Macondo” – Adriana LISBOA

Revista Cult, n. 87, dez. 2004 Conta a lenda que o sábio taoísta Chuang Tzu, ao dormir, sonhou ser uma borboleta, mas ao acordar se perguntou: será que eu era antes Chuang Tzu sonhando ser uma borboleta ou sou agora uma borboleta adormecida, sonhando ser Chuang Tzu? Gustavo Bernardo interpreta essa indecisão do sábio “como… Continue lendo “Chuang Tzu e a borboleta em Macondo” – Adriana LISBOA

“Esteja em Paz” – CHUANG TZU

Chuang-Tzu é tanto um cético quanto um místico. A dicotomia radical entre aparência e realidade, que é central no budismo, está ausente, bem como a tentativa de transcender as ilusões da existência diária. Chuang-Tzu vê a vida humana como um sonho, mas não busca despertar dele. Numa passagem famosa, ele escreve sobre sonhar que era… Continue lendo “Esteja em Paz” – CHUANG TZU

“O que a religião não é” – John GRAY

A ideia de que a religião é uma questão de crença é uma concepção estreita. Em que Homero "acreditava"? Ou os autores do Mahabharata? O conjunto de tradições a que os estudos ocidentais se referem como "hinduísmo" não apresenta qualquer credo predeterminado, como tampouco a mistura de religião popular e misticismo a que os mesmos… Continue lendo “O que a religião não é” – John GRAY

“Cachorros de palha”: John Gray e a hipótese Gaia

O humanismo é uma religião secular montada com fragmentos deteriorados do mito cristão. Ao contrário, a hipótese Gaia — a teoria de que a Terra é um sistema auto-regulado cujo comportamento se assemelha, de certas formas, ao de um organismo — incorpora o mais rigoroso naturalismo científico. No modelo de James Lovelock para Daisyworld, um… Continue lendo “Cachorros de palha”: John Gray e a hipótese Gaia

“Pensar contra si próprio” – CIORAN

Um requisitório contra o otimismo new age, a cultura da autoajuda e suas receitas de felicidade, mas também contra a Teosofia e o Tradicionalismo, dogmatismos perniciosos que se inspiram em supostos mistérios, em supostas "verdades perenes". "Pensar contra si próprio" é o texto de abertura de A tentação de existir (1956), o terceiro livro de… Continue lendo “Pensar contra si próprio” – CIORAN

ZHUANGZI: The Sage of Uncertainty

Perhaps I am a bit of a philosopher, inasmuch as, in favor of my ills, I have endeavored to always advance to ever higher degrees of insecurity.Cioran, letter to Fernando Savater "As for Cioran's skepticism, it is of such a parti-pris that it is hardly dramatic. What to think of a spirit that says: “Nothing… Continue lendo ZHUANGZI: The Sage of Uncertainty

Ilusão como Doença no Tao Te Ching; Cioran e a Antropologia do Animal Enfermo

Quem conhece a sua ignorância revela a mais alta sapiência.Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão.Não conhecer e pensar que conhece é tal qual uma doença.Não sucumbe à ilusão quem conhece a ilusão como ilusão.Quando consideramos o mal como mal, dele nos preservamos.O sábio conhece o seu não-saber;Essa consciência do não saber… Continue lendo Ilusão como Doença no Tao Te Ching; Cioran e a Antropologia do Animal Enfermo

Tao Te Ching Chillstep Mix (Read By Wayne Dyer)

https://www.youtube.com/watch?v=Y5dkkmqQr7E&feature=emb_title The Tao that can be told is not the eternal Tao;The name that can be named is not the eternal name.The Nameless is the origin of Heaven and Earth;The Named is the mother of all things.......There was something undifferentiated and yet complete,Which existed before Heaven and Earth.Soundless and formless it depends on nothing and… Continue lendo Tao Te Ching Chillstep Mix (Read By Wayne Dyer)

“São Paulo” (E.M. Cioran)

Nunca o acusaremos o bastante por ter feito do cristianismo uma religião deselegante, por nele ter introduzido as tradições mais detestáveis do Antigo Testamento: a intolerância, a brutalidade, o provincianismo. Com que indiscrição interfere em coisas que não lhe dizem respeito, de que nada entende! As suas considerações sobre a virgindade, a abstinência e o… Continue lendo “São Paulo” (E.M. Cioran)

Entrevista com John Gray: “O conhecimento não liberta o homem, apenas aumenta seu poder”

FRONTEIRAS DO PENSAMENTO - Thereza Venturoli, 14/12/2016 "A mensagem central de Cachorros de Palha não é de desesperança, mas de libertação. O que eu pretendo é sugerir ao leitor: leve sua vida da maneira mais bela e inteligente possível, pois o destino da Terra não está sobre seus ombros. Na verdade, foi assim que viveu a maioria dos… Continue lendo Entrevista com John Gray: “O conhecimento não liberta o homem, apenas aumenta seu poder”