“O pensador de ocasião” – E.M. CIORAN

Há um duplo sentido implícito na fórmula: "Pensador de ocasião" tanto no sentido de não sê-lo por profissão ou por qualquer formalidade exterior, senão ocasionalmente, por acidente, ao ritmo de seus padecimentos e de suas tristezas, como também no sentido da expressão idiomática francesa que significa "usado", "de segunda mão", como os livros vendidos e… Continue lendo “O pensador de ocasião” – E.M. CIORAN

“A vida como in-eternidade, ou as revelações da dilaceração” (Emil Cioran)

Retumbam em ti as épocas geológicas? Se não, por que então falas do tempo? Foste o mar onde se derramaram os rios do tempo? Se não, por que se orgulhar da História? Reuniste todas as lágrimas que não secaram e as derramaste de novo para devolvê-las à terra e consolar os olhos e o coração?… Continue lendo “A vida como in-eternidade, ou as revelações da dilaceração” (Emil Cioran)

“Mensagem à Poesia” (Vinícius de Moraes)

"A minha missão é sofrer por todos os que sofrem sem o saberem. Devo pagar por eles, expiar a sua inconsciência, a sorte que têm de ignorar até que ponto são infelizes." (Cioran) https://www.youtube.com/watch?v=UBNtDPjmGTo&feature=emb_title Não posso Não é possível Digam-lhe que é totalmente impossível Agora não pode ser É impossível Não posso. Digam-lhe que estou… Continue lendo “Mensagem à Poesia” (Vinícius de Moraes)

“Madrigal triste” – Ch. BAUDELAIRE

I Que m'importe que tu sois sage?Sois belle! Et sois triste! Les pleursAjoutent un charme au visage,Comme le fleuve au paysage;L'orage rajeunit les fleurs. Je t'aime surtout quand la joieS'enfuit de ton front terrassé;Quand ton coeur dans l'horreur se noie;Quand sur ton présent se déploieLe nuage affreux du passé. Je t'aime quand ton grand oeil… Continue lendo “Madrigal triste” – Ch. BAUDELAIRE

“A Música é essencialmente triste ou alegre? Uma questão ociosa” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Quando esgotamos os pretextos que incitam à alegria ou à tristeza, conseguimos vivê-las, ambas, em estado puro: nos igualamos assim aos loucos... (Silogismos da amargura) Uma discussão interessante, mas não fecunda, senão ociosa, é entabulada por Clément Rosset em seu livro sobre o tema da beatitude em Nietzsche: Alegria -- A Força Maior (1983) --… Continue lendo “A Música é essencialmente triste ou alegre? Uma questão ociosa” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

A grande tentação (Emil Cioran)

A perda da consciência de ser criatura: odiamos tudo o que é ser; deixamos de ser solidários com todas as criaturas junto às quais uma vez ornamentamos o paraíso. Quando odiamos os animais, odiamos a base de nossa vida. Queremos escapar totalmente da ordem das criaturas. Por que então, quando nos abandona a sensação de… Continue lendo A grande tentação (Emil Cioran)

Renúncia: covardia ou heroísmo moderno? (Emil Cioran)

Quando Buda fala de renúncia, é como se nós falássemos do amor. Renunciar com a naturalidade de uma flor que se fecha ao entardecer: esse é o segredo de uma renúncia que não poderemos realizar nunca, porque colocamos demasiada paixão nas negações. Não se tornam positivas todas as negações durante nossos momentos de tensão? Ao… Continue lendo Renúncia: covardia ou heroísmo moderno? (Emil Cioran)

Cioran e a Ética do Sacríficio

Rebentar com todo o ardor apaixonado de nossa alma, vencer toda a resistência e destruir todos os obstáculos que existem no caminho de nossa grande loucura. Estar orgulhosos de nossa absurda e infinita coragem e partir em meio a essa embriaguez de orgulho e de êxtase para os últimos cumes do ser, impulsionados pela sede… Continue lendo Cioran e a Ética do Sacríficio

“Não sou pessimista, sou triste” (Bernardo Soares)

Não me indigno porque a indignação é para os fortes; não me resigno, porque a resignação é para os nobres; não me calo, porque o silêncio é para os grandes. E eu não sou forte, nem nobre, nem grande. Sofro e sonho. Queixo-me porque sou fraco e, porque sou artista, entretenho-me a tecer musicais as… Continue lendo “Não sou pessimista, sou triste” (Bernardo Soares)

As virtudes purgativas do sofrimento (Emil Cioran)

Só o sofrimento muda o homem. Todas as outras experiências e fenômenos não conseguem modificar essencialmente o temperamento de ninguém nem aprofundar certas disposições suas a ponto de transformá-las completamente. De quantas mulheres equilibradas não fez o sofrimento umas santas? Absolutamente todas as santas sofreram muito mais do que se pode imaginar. Sua transfiguração não… Continue lendo As virtudes purgativas do sofrimento (Emil Cioran)