“Irredentist Existentialism: Fondane and Shestov” – Frank BOWMAN

Yale French Studies, 1955, No. 16, Foray Through Existentialism (1955), pp. 111-117 [PDF] Merleau-Ponty has entered the College de France, Existentialism has become quite fully accredited at the Sorbonne, and even in this country the fog of logical positivism and Dewey's comfortable words seem at last to be slackening their grip. Some find this upsetting… Continue lendo “Irredentist Existentialism: Fondane and Shestov” – Frank BOWMAN

“La última aparición de lo sagrado: la nada” – María ZAMBRANO

La filosofía jamás había penetrado en el infierno. Era su limitación y también algo así como su castidad. Lo ignoraba como ignoraba el paraíso, al que acababa por conducir sin haberlo prometido. La castidad de la filosofía ha consistido, además de otras cosas, en no prometer nada; nada a la vida personal, a los más… Continue lendo “La última aparición de lo sagrado: la nada” – María ZAMBRANO

«Cioran, il mistico dell’era Post-Dio». Dialogo con Mirko Integlia su «Tormented by God» (parte III)

Orizzonti Culturali Italo-Romeni, n. 2, febbraio 2020, anno X In questa ultima parte dell’intervista con Mirko Integlia, autore del libro Tormented by God: The Mystical Nihilism of Emil Cioran (Libreria Editrice Vaticano, 2019), la conversazione gira intorno a temi quali il carattere catartico (e terapeutico) della lettura di questo King of Pessimists, come lo definì la rivista «Times»,… Continue lendo «Cioran, il mistico dell’era Post-Dio». Dialogo con Mirko Integlia su «Tormented by God» (parte III)

“El poder de la palabra”: única grabación de la voz de Miguel de Unamuno (1931)

https://www.youtube.com/watch?v=nflKqPLxeL8 "Un crítico francés de nuestra literatura española, dijo, que en España, apenas hay escritores, sino oradores por escrito. Acaso es cierto. Por mi parte, nada me molesta más, que oír decir de alguien que habla como un libro, prefiero los libros que hablan como hombres. Y lo que es menester, es que la gente… Continue lendo “El poder de la palabra”: única grabación de la voz de Miguel de Unamuno (1931)

“Kierkegaard, precursor do Antifilósofo cioraniano” – Rodrigo MENEZES

O prefácio de O Desespero Humano (1849) é bastante elucidativo da problemática existencial -- e religiosa -- colocada pelo pensamento kierkegaardiano, e também da sua divisa intelectual existencial-religiosa em oposição ao "totalitarismo" racionalista do Espírito absoluto hegeliano. "O professor, o mestre de estudos, o estudante e enfim o filósofo, amador ou formado não ficam na… Continue lendo “Kierkegaard, precursor do Antifilósofo cioraniano” – Rodrigo MENEZES

“O Teísmo como Solução do Problema Cosmológico: sobre uma monografia acadêmica sem data” – Rodrigo MENEZES

O texto acadêmico “Teismul ca soluţie a problemei cosmologice” [O teísmo como solução do problema cosmológico] é um ensaio de teodiceia, uma reflexão filosófica sobre o tema do Mal (tendo como subtítulo “dissertação sobre o neo-espiritualismo de Bergson”). Os artigos jornalísticos e acadêmicos escritos nos 1930, como os que se encontram reunidos em Solitude et… Continue lendo “O Teísmo como Solução do Problema Cosmológico: sobre uma monografia acadêmica sem data” – Rodrigo MENEZES

“Niilismo, existencialismo e gnosticismo: a hermenêutica existencial de Franco Volpi” – Rodrigo Menezes

A obra de Heidegger, leitor de Nietzsche, apresenta um paradoxo que é o mesmo de boa parte do pensamento contemporâneo: “Nela, com efeito, parecem tocar-se e conviver dois extremos incompatíveis: de um lado, um niilismo radical; de outro, o convite a uma visão inspirada, senão mesmo ao misticismo.”[i] Daí, segundo Volpi, em face dos escritos… Continue lendo “Niilismo, existencialismo e gnosticismo: a hermenêutica existencial de Franco Volpi” – Rodrigo Menezes

“Um pessimismo (mui) pouco trágico: Cioran lido por Clément Rosset” – Rodrigo MENEZES

Trata-se de contrapor e fazer dialogar duas filosofias, dois modo de pensar (o homem, a existência, a vida e a morte, o tempo) que têm muito em comum, mas cujas conclusões podem ser radicalmente divergentes: a filosofia trágica, afirmativa e aprobatória de Clément Rosset (tendo como corolário a alegria como "force majeure"), na linha de… Continue lendo “Um pessimismo (mui) pouco trágico: Cioran lido por Clément Rosset” – Rodrigo MENEZES

Dos males, o pior: a filosofia trágica de Clément Rosset

Nonfilozofie: ideile se sufocă de sentiment. [Não-filosofia: as ideias sufocam de sentimento.] (CIORAN, Amurgul gândurilor) Conseguir pensar o pior - tal é pois o alvo mais geral da filosofia terrorista, o cuidado comum a pensadores tão diferentes quanto os filósofos citados mais acima. A tais pensadores, esta infecta tarefa apareceu não somente como tarefa única,… Continue lendo Dos males, o pior: a filosofia trágica de Clément Rosset