“Quem é Deus” – Ramana MAHARSHI

Bhagavan Sri Râmana Mahârshi (1879 - 1950), foi um mestre de Advaita Vedanta e um famoso santo do sul da Índia, considerado um dos maiores sábios de todos os tempos. https://www.youtube.com/watch?v=RYLw2Or2vCg Trechos do livro “True Happiness”, editado por Arthur Osborne. Seus ensinamentos, simples, profundos e lúcidos, estão registrados em um grande número de livros. A… Continue lendo “Quem é Deus” – Ramana MAHARSHI

“Mas, Cioran, atman ou anatman? Eis a questão” – Rodrigo MENEZES

“Na história há dois fenômenos que representam para mim o ponto mais elevado: a metafísica indiana e a música alemã. […] Se houvesse um processo, no qual o homem fosse acusado, poderia se defender com esses dois fenômenos. Pessoalmente, através da metafísica indiana consegui penetrar mais profundamente nos problemas filosóficos, e, com a música alemã,… Continue lendo “Mas, Cioran, atman ou anatman? Eis a questão” – Rodrigo MENEZES

“Brahman: reconheça o Ser Supremo” – Siddharameshwar MAHARAJ

“De manhã, voltei para a cama e durante meia hora refleti sobre o Vedanta, com o sentimento de tê-lo compreendido ou antes sentido. Pareceu-me que entendi pela primeira vez o sentido do Atman e do Brahman, sua comunicação e também a possibilidade de sua identidade”CIORAN, Cahiers: 1957-1972, p. 873. https://www.youtube.com/watch?v=t-W_qaQRCFw Sri Siddharameshwar Maharaj (1888 -… Continue lendo “Brahman: reconheça o Ser Supremo” – Siddharameshwar MAHARAJ

“Eu Sou Aquilo” – Nisargadatta MAHARAJ

"Na história há dois fenômenos que representam para mim o ponto mais elevado: a metafísica indiana e a música alemã. [...] Se houvesse um processo, no qual o homem fosse acusado, poderia se defender com esses dois fenômenos. Pessoalmente, através da metafísica indiana consegui penetrar mais profundamente nos problemas filosóficos, e, com a música alemã,… Continue lendo “Eu Sou Aquilo” – Nisargadatta MAHARAJ

“Este Eres Tú” – Arthur SCHOPENHAUER

Los lectores de mi ética saben que en ella el fundamento de la moral se basa en último término en aquella verdad que en los Vedas y el vedanta encuentra su expresión en la fórmula mística tat twam asi (este eres tú), que se pronuncia señalando a cada ser vivo, sea hombre o animal, y… Continue lendo “Este Eres Tú” – Arthur SCHOPENHAUER

“Pensar contra si próprio” – CIORAN

Um requisitório contra o otimismo new age, a cultura da autoajuda e suas receitas de felicidade, mas também contra a Teosofia e o Tradicionalismo, dogmatismos perniciosos que se inspiram em supostos mistérios, em supostas "verdades perenes". "Pensar contra si próprio" é o texto de abertura de A tentação de existir (1956), o terceiro livro de… Continue lendo “Pensar contra si próprio” – CIORAN

“Michaux: a paixão do exaustivo” – E.M. Cioran

Há uns 15 anos, Michaux me levava regularmente ao Grand Palais onde eram exibidos todos os tipos de filme de caráter científico, alguns curiosos, outros técnicos, impenetráveis. Para dizer a verdade, o que me intrigava era menos as projeções do que o interesse que demonstrava por elas. Não compreendia muito bem o motivo de uma… Continue lendo “Michaux: a paixão do exaustivo” – E.M. Cioran

“Nem Buda nem Satanás: Schopenhauer” – Guido CERONETTI

O belo livrinho das Conversas de Schopenhauer, que a Rizzoli publicou nos seus breviários do “Ramo d’oro” com a curadoria apaixonada de Anacleto Verrecchia, tem-me sido recentemente uma ótima companhia de viagem; e com Arthur Schopenhauer, filósofo que muito me ajudou, junto a Montaigne e Espinoza, a formar juízos livres, a viver e a não… Continue lendo “Nem Buda nem Satanás: Schopenhauer” – Guido CERONETTI

Hinduísmo e budismo (Philipp Mainländer)

MAINLÄNDER, Philipp, Filosofia de la Redención. Edición original (1876) [Die Philosophie der Erlösung]. Introducción, traducción y notas de Manuel Pérez Cornejo. Madrid: Xorki, 2014, p. 260-66. Trad. do espanhol: Rodrigo Inácio R. Sá Menezes.Eu dissera anteriormente que a lei principal da civilização é o sofrimento, através do qual a vontade se debilita e o espírito… Continue lendo Hinduísmo e budismo (Philipp Mainländer)

“The snares of wisdom” (E. M. Cioran)

The Hudson Review, vol. 19, No. 4 (Winter, 1966-1967), pp. 539-550 Translated from French by Frederick Brown. Once we realize to what depth appearances are credited by the normal consciousness, it becomes impossible to endorse the Vedantic thesis according to which "non-distinction is the soul's natural state." What is meant here by natural state is the… Continue lendo “The snares of wisdom” (E. M. Cioran)