“Mística da marginalidade: o legado de Jack Kerouac” – Cláudio WILLER

Revista Cult, 21 de outubro de 2020 “Tudo me pertence, porque eu sou pobre.” Essa declaração de Jack Kerouac em Visões de Cody (L&PM, 2009, tradução de Guilherme da Silva Braga, assim como as citações a seguir) – sua obra mais complexa e substanciosa, escrita em 1952, na sequência de On the Road, e publicada postumamente em 1972 – serviria… Continue lendo “Mística da marginalidade: o legado de Jack Kerouac” – Cláudio WILLER