An Unheard-of Reflection On/Against The Image, by E.M. CIORAN

An enigmatic text, mostly unheard-of by even the most knowledgeable experts in the matter of Cioran, is among the selected writings that compose Contra la Historia [Against History], a collection of aphorisms and essays edited by Esther Seligson, with the purpose of diffusing Cioran's writings in the Spanish-speaking world when his books were just starting… Continue lendo An Unheard-of Reflection On/Against The Image, by E.M. CIORAN

Manuais de anti-ajuda: Byung-Chul Han & Emil Cioran, críticos da positividade tóxica

Se, na Idade Teológica, ser humano significava adorar a Deus (Jesus), se ser virtuoso significava ser um cristão de fidelidade a toda prova (um santo) e ser mau significava ser herege (uma feiticeira), na Idade da Razão ser verdadeiramente humano significa adorar a Ciência (a Tecnologia, o Progresso), ser virtuoso significa gozar boa saúde (ser… Continue lendo Manuais de anti-ajuda: Byung-Chul Han & Emil Cioran, críticos da positividade tóxica

“Why we fail and how” (Costica Bradatan)

LOS ANGELES REVIEW OF BOOKS, September 24, 2017 DIOGENES THE CYNIC (c. 412 BC–323 BC) apparently had to flee his native city of Sinope because he was caught in a scandal involving the defacement of Sinopean currency. He managed to save face, though, and switched from a failing career in counterfeiting to a more promising… Continue lendo “Why we fail and how” (Costica Bradatan)

“Tempo sem experiência” – Olgária MATOS

Uma reflexão sobre o tempo sem experiência da contemporaneidade. Como a atual aceleração da sociedade cria a sensação de que não há tempo para nada. Na realidade, são os próprios mecanismos sociais e econômicos que necessitam dessa situação. As diferenças entre tédio e monotonia podem caracterizar diferentes formas de se relacionar com o tempo. A… Continue lendo “Tempo sem experiência” – Olgária MATOS

“Baudelaire: antíteses e revolução” (Olgária Matos)

Alea, vol.9 no.1 Rio de Janeiro Jan./June 2007 RESUMO: O ensaio procura indicar o método baudelairiano das antíteses de coisas e acontecimentos, de tal forma que o maniqueísmo progressista da dialética hegeliano-marxista é substituído pelo homo duplex pascaliano, e o conceito de ação política e arte engajada é reformulado. Palavras-chave: Baudelaire; Benjamin; poesia; revolução. ABSTRACT: The essay attempts to characterize Baudelaire's method of… Continue lendo “Baudelaire: antíteses e revolução” (Olgária Matos)

“O primado do artista sobre o filósofo” (José Thomaz Brum)

Este artigo procura apresentar a obra póstuma do filósofo alemão Schelling (1775-1854) intitulada Filosofia da Arte. Lançada no Brasil pela Edusp, com tradução e prefácio de Márcio Suzuki, ela constitui um verdadeiro “compêndio do saber romântico”. Palavras-chave: Schelling, idealismo alemão, filosofia da arte Friedrich Wilhelm Joseph Schelling (1775-1854), filósofo guia da escola romântica, pertence –… Continue lendo “O primado do artista sobre o filósofo” (José Thomaz Brum)