“Esteja em Paz” – CHUANG TZU

Chuang-Tzu é tanto um cético quanto um místico. A dicotomia radical entre aparência e realidade, que é central no budismo, está ausente, bem como a tentativa de transcender as ilusões da existência diária. Chuang-Tzu vê a vida humana como um sonho, mas não busca despertar dele. Numa passagem famosa, ele escreve sobre sonhar que era… Continue lendo “Esteja em Paz” – CHUANG TZU

Wu-wei: The Art of Letting Things Happen | Einzelgänger

Despite humanity’s technological developments and will to progress, we’re still utterly dependent on nature. Human effort has its limitations and is always in conjunction with nature. We cannot grow a plant, for example, completely isolated from natural growth, even though we can influence and manipulate it. https://www.youtube.com/watch?v=g0rhN8U14dk&t=646s The reputed author of the Tao Te Ching,… Continue lendo Wu-wei: The Art of Letting Things Happen | Einzelgänger

The Book of Life: E. M. Cioran

From The Book of Life website Towards the end of the twentieth century, a celebrated Romanian-French philosopher and aphorist was invited to speak in Zurich. He was introduced with rhetorical pomp and flattering comparisons to the likes of Kierkegaard and Schopenhauer. The speaker smiled, and immediately confounded his German interpreter by beginning his presentation with… Continue lendo The Book of Life: E. M. Cioran

“Notas sobre o nada: a propósito de niilismo em Cioran” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Sem Deus, tudo é nada; e Deus? Nada supremo. Silogismos da amargura Que lástima que o “nada” tenha sido desvalorizado pelo abuso de que foi objeto por parte de filósofos indignos dele! Écartèlement Paradoxos e controvérsias “Mesmo o bem é um mal”,[1] observou Cioran numa entrevista. O comentário, emblemático do seu pensamento metafísico, dá a conhecer… Continue lendo “Notas sobre o nada: a propósito de niilismo em Cioran” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Cioran e le virtù dell’indolenza” – Massimo CARLONI

Del libro Cioran in Italia. Atti del Convegno (Roma, 10 novembre 2011). Aracne Editrice, 2012. Ripubblicato con il permesso dell'autore. Maledizione del lavoro In principio era… l’ozio. La mitologia su questo punto concorda con la grammatica. L’otium precede il negotium, sia dal punto di vista temporale che etimologico, essendo il secondo una negazione o derivazione del… Continue lendo “Cioran e le virtù dell’indolenza” – Massimo CARLONI