“No túmulo de Rosencreutz” – Fernando PESSOA

NO TÚMULO DE CHRISTIAN ROSENCREUTZ Não tínhamos ainda visto o cadáver de nosso Pai prudente e sábio. Por isso afastámos para um lado o altar. Então pudemos levantar uma chapa forte de metal amarelo, e ali estava um belo corpo célebre, inteiro e incorrupto..., e tinha na mão um pequeno livro em pergaminho, escrito a… Continue lendo “No túmulo de Rosencreutz” – Fernando PESSOA

“Se te queres matar, por que não te queres matar?” – Fernando PESSOA

Poema declamado por Paulo Autran (1922-2007) https://www.youtube.com/watch?v=coCCJWHcmGU Se te queres matar, porque não te queres matar?Ah, aproveita! que eu, que tanto amo a morte e a vida,Se ousasse matar-me, também me mataria...Ah, se ousares, ousa!De que te serve o quadro sucessivo das imagens externasA que chamamos o mundo?A cinematografia das horas representadasPor actores de convenções… Continue lendo “Se te queres matar, por que não te queres matar?” – Fernando PESSOA

“O nosso inquérito sobre o fado” – Fernando PESSOA

O ʺNotíciasʺ Ilustrado, 14 de abril de 1929, p. 14. O fado será ou não uma canção nacional? — os seus intuitos são moralisadores, ou pelo contrario antingirão uma feição dissolvente? — ha vantagem em dar ao fado o desenvolvimento necessario a elege-lo como uma especialisação artistica, etnica, ou musical? — turistico, poetico, saudosista, invocativo,… Continue lendo “O nosso inquérito sobre o fado” – Fernando PESSOA

“Emil Cioran y Albert Cossery, entre el dolor y la alegría de existir”: entrevista a Belén Nava VALDÉS | UAEMéx 🇲🇽

Belén Nava Valdés es licenciada en Filosofía y Antropología Social por la Universidad Autónoma del Estado México (UAEMéx). Es profesora de asignatura en el Instituto Politécnico Nacional (IPN). Candidata a Maestra en Ética Social en la Facultad de Humanidades por la UAEMÉX. Autora y colaboradora de diversos publicados en México y en el extranjero. Ponente… Continue lendo “Emil Cioran y Albert Cossery, entre el dolor y la alegría de existir”: entrevista a Belén Nava VALDÉS | UAEMéx 🇲🇽

“Mário de Sá-Carneiro (1890-1916)”: homenagem de Fernando PESSOA

Quando Antero de Quental suicidou-se, em 11 de setembro de 1891, Mário de Sá-Carneiro tinha apenas um ano e cinco meses de idade, de modo que aquele gesto radical, considerado lendário no mundo literário português, não chegou a marcá-lo diretamente. Em compensação, quando o seu melhor amigo, Tomás Cabreira Júnior, com quem escrevera a peça… Continue lendo “Mário de Sá-Carneiro (1890-1916)”: homenagem de Fernando PESSOA

“Meu coração não aprendeu nada” – Fernando PESSOA

https://www.youtube.com/watch?v=2mjyyCrf6eQ Mestre, meu mestre querido!Coração do meu corpo intelectual e inteiro!Vida da origem da minha inspiração!Mestre, que é feito de ti nesta forma de vida? Não cuidaste se morrerias, se viverias, nem de ti nem de nada.Alma abstracta e visual até aos ossos,Atenção maravilhosa ao mundo exterior sempre múltiplo,Refúgio das saudades de todos os deuses… Continue lendo “Meu coração não aprendeu nada” – Fernando PESSOA

“Estou farto de semideuses!” – Fernando PESSOA

"Onde é que há gente no mundo? Então sou só eu que é vil e erróneo nesta terra?" "Poema em linha reta" e "Tabacaria". Leitura dos poemas pela professora Cleonice Berardinelli e a cantora Maria Bethânia. https://www.youtube.com/watch?v=o8vt_hJeClI Arre, estou farto de semideuses!Onde é que há gente no mundo? Então sou só eu que é vil… Continue lendo “Estou farto de semideuses!” – Fernando PESSOA

“A Dialéctica Platónica” – Fernando Pessoa | Mundo Dos Poemas

https://www.youtube.com/watch?v=OlOQ0zEvbK0 Sabem todos que a dialéctica platónica decompõe o movimento do raciocínio em três tempos sucessivos — a tese, a antítese, e a síntese. O mesmo íntimo critério preside ao movimento da ode grega, ou de toda ode — a estrofe, em que se determina a ideia; a antístrofe, em que se Ihe opõe a… Continue lendo “A Dialéctica Platónica” – Fernando Pessoa | Mundo Dos Poemas

“A espantosa realidade das coisas” – Fernando PESSOA

Poesia e poema de autor português. Fernando António Nogueira Pessoa (1888 — 1935) foi um poeta, filósofo, dramaturgo, ensaísta, tradutor, publicitário, astrólogo, inventor, empresário, correspondente comercial, crítico literário e comentarista político português. Um dos maiores génios poéticos de toda a nossa Literatura e um dos poucos escritores portugueses mundialmente conhecidos. A sua poesia acabou por… Continue lendo “A espantosa realidade das coisas” – Fernando PESSOA

Há Metafísica Bastante Em Não Pensar Em Nada – Fernando PESSOA

Poesia e poema de autor português. Fernando António Nogueira Pessoa (1888 — 1935) foi um poeta, filósofo, dramaturgo, ensaísta, tradutor, publicitário, astrólogo, inventor, empresário, correspondente comercial, crítico literário e comentarista político português. Um dos maiores génios poéticos de toda a nossa Literatura e um dos poucos escritores portugueses mundialmente conhecidos. A sua poesia acabou por… Continue lendo Há Metafísica Bastante Em Não Pensar Em Nada – Fernando PESSOA