“Por que o ser e não o nada? A Grundfrage em Leibniz, Schelling e Heidegger” – Rossano PECORARO

Argumentos - Revista de Filosofia, Universidade Federal do Ceará (UFC), ano 4, n° 7, 2012 Resumo: Este artigo pretende discutir as diversas reflexões de Leibniz, Schelling e Heidegger sobre a“pergunta fundamental” (Grundfrage) da filosofia: “Por que o ser e não o nada?”Palavras-chave: Ontologia; Nada; Filosofia alemã; Metafísica. Abstract: This article aims to analyze three different… Continue lendo “Por que o ser e não o nada? A Grundfrage em Leibniz, Schelling e Heidegger” – Rossano PECORARO

“Spiritual Titanism: Indian, Chinese, and Western Perspectives” – Nicholas F. GIER

PREFACE What matters most for India is not so much the salvation of the personality as the acquisition of absolute freedom.—Mircea Eliade In the millennium to come we are meant to become Gods on other planets. This is the great potential of our Divinity.—Gopi Krishna The whole ascetic tradition . . . springs from that… Continue lendo “Spiritual Titanism: Indian, Chinese, and Western Perspectives” – Nicholas F. GIER

“Onde o filósofo se mostra um mestre do disfarce” – Costica BRADATAN

O uso peculiar da linguagem — não apenas em Sein und Zeit, mas em todo o seu trabalho — conferiu a Heidegger a reputação de ser, ao mesmo tempo, um dos piores filósofos a ter papel e caneta à mão (caso você dê ouvidos a seus detratores) e um dos maiores mestres da língua alemã… Continue lendo “Onde o filósofo se mostra um mestre do disfarce” – Costica BRADATAN

“Aprimoramento do ser humano: notas filosóficas sobre o problema da diferença antropológica” – Peter SLOTERDIJK

A antropologia filosófica também nos ensinou que o ser humano é exatamente aquele ser que não possui atributos além daqueles que ele mesmo se atribui. O conceito da antropotécnica não designa outra coisa senão o fato de que nenhum homo sapiens caiu do céu, que essa criatura só pode ser obtida por meio de efeitos… Continue lendo “Aprimoramento do ser humano: notas filosóficas sobre o problema da diferença antropológica” – Peter SLOTERDIJK

“De Vaugelas a Heidegger” – CIORAN

Eu só comecei a me interessar realmente por Heidegger por volta de 1930, quando era estudante na Universidade de Bucareste. Sein und Zeit e especialmente Was ist Metaphysik foram os textos que me atraíram. Dois acontecimentos, um menor, o outro maior, acalmaram minha excitação. Na época, eu havia publicado um artigo sobre Rodin em um… Continue lendo “De Vaugelas a Heidegger” – CIORAN

“La condición humana: ¿océano o desierto?” – Josep Maria ESQUIROL

Fundación Juan March, Madrid, 18 de febrero de 2016 https://www.youtube.com/watch?v=ndZ1VGmu-ko El filósofo Josep Maria Esquirol utiliza la imagen del desierto-intemperie como metáfora de la condición humana. Como propuesta de pensamiento que pretende superar las tradiciones nihilistas y existencialistas y apoyándose en autores como Freud, Heidegger, Levinas o Deleuze, se plantea una situación de resistencia basada… Continue lendo “La condición humana: ¿océano o desierto?” – Josep Maria ESQUIROL

Chestov e a “tradição do pensamento humilhado” – Albert CAMUS

A inteligência também me diz, à sua maneira particular, que este mundo é absurdo. Seu contrário, que é a razão cega, prefere pretender que tudo está claro; eu esperava provas e desejava que ela tivesse razão. Mas, apesar de tantos séculos pretensiosos e acima de tantos homens eloquentes e persuasivos, sei que isto é falso.… Continue lendo Chestov e a “tradição do pensamento humilhado” – Albert CAMUS

“Uma breve história do tempo verdadeiro” – Peter SLOTERDIJK

Segundo uma palavra de Adolf von Harnack, a gnose significa a helenização aguda do cristianismo. Isso continuaria sendo uma observação profunda, mesmo se conseguissem comprovar as hipóteses da origem não cristã da gnose. Pois independentemente de onde a gnose possa ter surgido — no judaísmo herético-apocalíptico, no dualismo iraniano, num platonismo orientalizado, na hermética ou… Continue lendo “Uma breve história do tempo verdadeiro” – Peter SLOTERDIJK

“Heterotanatografia” (Juliano Garcia Pessanha)

Rapsódia - Almanaque de Filosofia e Arte, nr. 2, USP, 2002. A desolação da terra pode ser acompanhada da obtenção do mais alto padrão de vida para o homem e, igualmente, da organização de um estado uniforme de felicidade para todos os homens. A desolação pode ser a mesma coisa nos dois casos, e assombrar… Continue lendo “Heterotanatografia” (Juliano Garcia Pessanha)