Em busca de um “não-homem”: niilismo, anti-humanismo e mística negativa – Entrevista com Ştefan Bolea (Romênia)

Ştefan Bolea é pesquisador na Faculdade de Letras da Universidade Babeș-Bolyai de Cluj-Napoca, Romênia. Além disso, é editor da conceituada revista literária Apostrof, co-fundador e editor-chefe do e-zine cultural EgoPHobia (www.egophobia.ro). Ştefan Bolea obteve seu segundo doutorado summa cum laude em Literatura Comparada, em 2017 (após um primeiro em Filosofia, em 2012), com uma investigação… Continue lendo Em busca de um “não-homem”: niilismo, anti-humanismo e mística negativa – Entrevista com Ştefan Bolea (Romênia)

“O Niilista do Século” – Rodrigo MENEZES

São muitas as análises, das superficiais às mais elaboradas, que inscrevem a obra de Cioran sob o signo do niilismo. Um dos capítulos do livro de Franco Volpi, O Niilismo, é dedicado a Cioran e Bataille conjuntamente.[1] Ioan P. Culianu, historiador das religiões romeno, segue a mesma linha interpretativa de Volpi, atribuindo a Cioran um… Continue lendo “O Niilista do Século” – Rodrigo MENEZES

“Mani: o profeta gnóstico da luz” – Alberto BRUM

Kephalaia e textos maniqueus. Kephalaia ("capítulos" ou "títulos" em grego) é um gênero de literatura maniqueia representado principalmente por dois grandes códices de papiro contendo traduções coptas do Egito romano do século V. As kephalaia são consideradas por alguns estudiosos como as palavras ou ensinamentos originais do profeta Mani, enquanto outros acreditam que são discursos… Continue lendo “Mani: o profeta gnóstico da luz” – Alberto BRUM

“A Gnosis Sufi: Ismailismo e Mística” – Alberto BRUM

https://www.youtube.com/watch?v=40WtPWw3YRE Vídeo anterior sobre os Mandeanos: Os Gnósticos Mandeanos e o Livro Sagrado Ginzahttps://youtu.be/C5yeW7CMHHM Mani e o Maniqueismo - Os textos descobertos e o Kephalaiahttps://youtu.be/vW37G8jyU-U Temas relacionados: Essênios, João Batista e o Gnóstico João - (outra aula do prof. Alberto Brum que complementa este video)https://youtu.be/JdZn4gm-6Hc CONTEÚDO RELACIONADO:

“Encontros com o suicídio” – CIORAN

O texto: Seleção de aforismos de “Rencontres avec le suicide”, um dos capítulos de Le mauvais démiurge (1969), de E. M. Cioran. Trata-se de ruminações, variações sobre a questão capital, muitas das quais vacilações em torno do suicídio, cuja ideia é priorizada em detrimento de sua realização. São “encontros e desencontros” com o suicídio que, levando a compreender… Continue lendo “Encontros com o suicídio” – CIORAN

E. M. Cioran o el cielo, la tierra y el abismo – Leobardo VILLEGAS

Reflexiones Marginales #67, 25 enero 2022 Resúmen: Este trabajo es una reflexión sobre el tiempo en el pensamiento de Emil Cioran. Su objetivo es mostrar cómo es que, para el filósofo rumano, antes y después del tiempo histórico, el cual se distingue por el cambio, hay dos tiempos que no devienen: uno positivo, paradisíaco, otro… Continue lendo E. M. Cioran o el cielo, la tierra y el abismo – Leobardo VILLEGAS

“Cioran, Plotino e a gnose” – Jérôme LAURENT

In: TACOU, L .; PIEDNOIR, V. (eds.), Cahier L’Herne Cioran. Paris: L’Herne, 2009, p. 264-270. [PDF]  “Ninguém é mais religioso do que eu. Nem menos. Estou mais perto e mais longe do Absoluto do que qualquer um”, escreveu Cioran em seus Cahiers, em 1966. Pode-se dizer que ninguém foi, no século XX, mais gnóstico do… Continue lendo “Cioran, Plotino e a gnose” – Jérôme LAURENT

“Um Jesus, vários Cristos” – Marilia FIORILLO

No início havia apenas um judeu herético, Jesus de Nazaré.HANS DIETER BETZ O cristianismo atual — mórmon, luterano, anglicano, pentecostal, presbiteriano, adventista, católico etc. etc. — tem muito menos denominações do que teve no início. A unanimidade da Igreja primitiva é a mais mirabolante das ficções. Como fato, é comprovadamente falso. E mesmo como dogma… Continue lendo “Um Jesus, vários Cristos” – Marilia FIORILLO

Conversas sobre neoplatonismo – Dominic O’MEARA

Dominic O'Meara é professor aposentado da Université de Fribourg. https://www.youtube.com/watch?v=n_plDQW2rlg

“A fraqueza de Deus” – Marilia FIORILLO

O que sabiam os gnósticos? A ponto de torná-los tão incômodos, indesejáveis, ameaçadores? Não eram segredos ocultos, fórmulas mágicas, amuletos encantados, abracadabras. O que os gnósticos conheciam era o poder da imaginação. Conheciam e punham em prática. Pois o gnosticismo é tudo, menos um quietismo. As nuances das doutrinas gnósticas são tantas que, até hoje,… Continue lendo “A fraqueza de Deus” – Marilia FIORILLO