“L’infinito tra poesia, filosofia e sentire” – Loretta MARCON

ORIZZONTI CULTURALI ITALO-ROMENI, n. 12, dicembre 2021, anno XI Quando parliamo di poesia pensante e di pensiero poetante di Leopardi, immediatamente si presentano alla nostra mente i versi di due particolari Canti: l’Infinito e il Canto notturno di un pastore errante.Il secondo appare immediatamente, nella sua luce lunare, poeticamente spietato nel suo realismo, perché intriso di domande… Continue lendo “L’infinito tra poesia, filosofia e sentire” – Loretta MARCON

“Siamo al culmine della storia della follia. Leopardi ci salverà. Forse”. Emanuele Severino in dialogo con Gianni Bonina

PANGEA NEWS, 22 Gennaio 2020 Nascere apparve nel 2005 da Rizzoli nella veste di un libro secondario ma già nel sottotitolo, “E altri problemi della coscienza religiosa”, adombrava una provocazione nell’intento mascherato di rinfocolare una polemica che aveva visto Emanuele Severino protagonista al tempo della legge sulla fecondazione. Ad ogni modo segnava una presa di… Continue lendo “Siamo al culmine della storia della follia. Leopardi ci salverà. Forse”. Emanuele Severino in dialogo con Gianni Bonina

“Aubade” – Philip LARKIN

Larkin began writing “Aubade” in 1974 but only finished it three years later, after the death of his mother. It was first published in the TLS in 1977. The poem opens just before daybreak to a “soundless dark” in which the speaker is kept from sleep by his existential vulnerability. Despite the promise of dawn, he senses… Continue lendo “Aubade” – Philip LARKIN

“Passagem das horas” – Álvaro de Campos

19 janvier [1970] - J'ouvre les Poésies d'Alvaro de Campos (Pessoa), et je tombe sur « Seja o que fôr, era melhor nao ter nascido. » Quoi qu'il en soit, mieux valait n'être pas né.CIORAN, Cahiers, p. 787. https://www.youtube.com/watch?v=aoczH7CVSBg PASSAGEM DAS HORAS [b] Trago dentro do meu coração,Como num cofre que se não pode fechar… Continue lendo “Passagem das horas” – Álvaro de Campos

“Infância e modernidade no século XIX: o olhar de Charles Baudelaire” – Juarez José Tuchinski dos Anjos

Dimensões, vol. 30, 2013, p. 289-314. ISSN: 2179-8869 Resumo: Por meio do olhar do poeta francês Charles Baudelaire, o objetivo do artigo é compreender como nas relações entre modernidade e infância no século XIX, percebia-se esta última como um fenômeno moderno. A fonte aqui privilegiada são os poemas em prosa O Esplim de Paris, cuja leitura é feita… Continue lendo “Infância e modernidade no século XIX: o olhar de Charles Baudelaire” – Juarez José Tuchinski dos Anjos

“Poética do desencanto: ‘Movimentos portáteis’, de Reynaldo Damazio, e outros lançamentos” – Michaela Schmaedel

Revista Cult, 17 de agosto de 2021 Uma poética do desencanto. Esta poderia ser uma definição para o conjunto de poemas apresentado por Reynaldo Damazio em Movimentos Portáteis (editora Kotter), seu oitavo livro, lançado no ano pandêmico de 2020. Nos 76 poemas que compõem a obra, o poeta, editor e gestor cultural paulista de 57 anos lança… Continue lendo “Poética do desencanto: ‘Movimentos portáteis’, de Reynaldo Damazio, e outros lançamentos” – Michaela Schmaedel

“À margem de um poema de Verlaine” – CIORAN

Um poema de Verlaine equivale à harmonia melódica de uma sinfonia executada sob um céu azul; transporta-nos para além da fuga fragmentária e banal da vida; dá-nos a impressão de viajar rodeados de asas de anjo… É profundamente irracional; transporta-nos, aguçando nossa sensibilidade, para além da categoria do espaço concreto, palpável e apreensível; sua ondulação,… Continue lendo “À margem de um poema de Verlaine” – CIORAN

“Eminescu” – Lucian BOIA

Spirits got heated almost to incandescence around the figure of Eminescu. It is true that no other Romanian myth carries a higher emoGonal charge than that of the national poet. He is perceived not only as a poet of unparalleled value - which would already be claiming a lot-but as a symbol of the Romanian… Continue lendo “Eminescu” – Lucian BOIA

“Emily Dickinson: Una genia con actividad propia” – Laura Freixas

Fundación Juan March, 10 de marzo de 2015 Je donnerais tous les poètes pour Emily Dickinson.CIORAN, Cahiers https://www.youtube.com/watch?v=6D-4rD-fu4A Una mujer genial que decidió hacer uso de su renta y su “habitación propia” para componer en torno a dos mil poemas y cientos de cartas. Prolífica, audaz e íntegra son algunos de los calificativos con los… Continue lendo “Emily Dickinson: Una genia con actividad propia” – Laura Freixas