“Maurice Blanchot e o espaço do imaginário: algumas aproximações” – Renato SUTTANA

Letras de Hoje - Estudos e Debates de assuntos de linguística, literatura e língua portuguesa, v. 48 n. 2 (2013). Resumo: Neste trabalho, abordamos noção de espaço, aplicado ao estudo da obra literária, conforme se configura nos escritos de Maurice Blanchot. Tomando como base, principalmente, as suas reflexões sobre as obras de Joubert, Borges, Kafka… Continue lendo “Maurice Blanchot e o espaço do imaginário: algumas aproximações” – Renato SUTTANA

“Cioran, Borges y la filosofía” – Alfredo ABAD

El Vuelo de la Lechuza, 9 de diciembre de 2021 La asimilación de Cioran como un filósofo no deriva de un capricho. Por el contrario, en él la filosofía cobra su identidad, su necesaria especificidad a través de la cual es concebible. No otra razón le atañe a quien con suficiencia puede descartar la comodidad del pensamiento, a… Continue lendo “Cioran, Borges y la filosofía” – Alfredo ABAD

“Infância e modernidade no século XIX: o olhar de Charles Baudelaire” – Juarez José Tuchinski dos Anjos

Dimensões, vol. 30, 2013, p. 289-314. ISSN: 2179-8869 Resumo: Por meio do olhar do poeta francês Charles Baudelaire, o objetivo do artigo é compreender como nas relações entre modernidade e infância no século XIX, percebia-se esta última como um fenômeno moderno. A fonte aqui privilegiada são os poemas em prosa O Esplim de Paris, cuja leitura é feita… Continue lendo “Infância e modernidade no século XIX: o olhar de Charles Baudelaire” – Juarez José Tuchinski dos Anjos

“Em busca da negatividade perdida: considerações sobre o papel dos ‘especialistas do suicídio’ e a tarefa da crítica literária” – Rodolfo Rorato LONDERO

Em seus Silogismos da amargura, Cioran apresenta o seguinte argumento: “Os românticos foram os últimos especialistas do suicídio. Desde então se improvisa… Para melhorar sua qualidade precisamosde um novo mal do século” (Cioran 2011a: 15). Na verdade, como mostra Han (2015), neste começo do século XXI, já temos uma infinidade de “doenças neuronais” que garante… Continue lendo “Em busca da negatividade perdida: considerações sobre o papel dos ‘especialistas do suicídio’ e a tarefa da crítica literária” – Rodolfo Rorato LONDERO

“Paul Valéry – estudos filosóficos” – Brutus Abel Fratuce Pimentel

Tese apresentada ao programa de Pós-Graduação em Filosofia do Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, para obtenção do título de Doutor em Filosofia, sob a orientação da Profa. Dra. Olgária Matos (2008). RESUMO Brutus Abel, Paul Valéry - Estudos filosóficos, Tese (Doutorado), Departamento de Filosofia,… Continue lendo “Paul Valéry – estudos filosóficos” – Brutus Abel Fratuce Pimentel

El inconveniente de nacer. Un diálogo de E. Cioran con los poetas: Charles Baudelaire y S. Mallarmé – Francia Elena GOENAGA

Homenaje a M .Liliana Herrera Alzate (1960-2019) “En el Eclesiastés, la existencia aparece como una extremada sinrazón que sólo el corazón gozoso atina a comprender por la vía del amor desinteresado. Al fondo de toda la maquinaria astral se vislumbra el amor a los seres y a las cosas como única y última solución”.Antonio Colinas. Tres… Continue lendo El inconveniente de nacer. Un diálogo de E. Cioran con los poetas: Charles Baudelaire y S. Mallarmé – Francia Elena GOENAGA

Carlo Michelstaedter, um filósofo no “cume do desespero” – Gleiton Lentz (n.t.) Nota do Tradutor 🇧🇷

https://www.youtube.com/watch?v=yenb7b1yeQY&t=1s Uma aproximação entre o filósofo romeno e o filósofo italiano, destacando as coincidências biográficas e afinidades eletivas entre eles, em termos de estilo e de pensamento. Carlo Michelstaedter suicidou-se aos 23 anos, a mesma idade de Cioran ao escrever Nos Cumes do Desespero (1934); a defesa da tese de Michelstaedter sobre La persuasione e… Continue lendo Carlo Michelstaedter, um filósofo no “cume do desespero” – Gleiton Lentz (n.t.) Nota do Tradutor 🇧🇷

Exilados inconvenientes e habitantes do estilo: Emil Cioran e Lima Barreto – Rodrigo Adriano Machado 🇧🇷

https://www.youtube.com/watch?v=F_I-D90JLs8&list=PLxUGladvZCEGR6wshOGeWCf7cEWlzUL9q&index=27 O exílio é um termo que denota mais do que um afastamento no plano geográfico e psicossocial: imposto por questões externas — perseguição política ou marginalização cultural — ou auto imposto por necessidades internas de um indivíduo procurando se preservar. É também, como trataremos de investigar no decorrer do ensaio, um lugar existencial que… Continue lendo Exilados inconvenientes e habitantes do estilo: Emil Cioran e Lima Barreto – Rodrigo Adriano Machado 🇧🇷

Terrorismos Metafísicos de Lautréamont e Cioran – Lucas C. Almeida Rocha 🇧🇷

https://www.youtube.com/watch?v=vTWptw6PWM8&t=739s Há quem diga que, para muito além da Filosofia, há em Cioran uma certa poética. Sua obra não se sustenta unicamente em sua temática, mas também na estética na qual ela se funda. Em decorrência da complexidade estilística e formal de sua prosa, somos obrigados a não posicionar este vampiro do Paradoxo meramente ao… Continue lendo Terrorismos Metafísicos de Lautréamont e Cioran – Lucas C. Almeida Rocha 🇧🇷

“Nostalgia”, de Mircea Cărtărescu, em língua japonesa

Foi recentemente publicado no Japão, graças ao notável tradutor Sumiya Haruya, Nostalgia, romance do escritor romeno Mircea Cărtărescu. Sumiya Haruya nasceu em 1931, na província de Gunma, em uma família de criadores de bicho-da-seda. Em 1953, graduou-se na Faculdade de Língua e Literatura Francesa da Universidade de Tóquio. Desde os anos 1970, Sumiya Haruya tem… Continue lendo “Nostalgia”, de Mircea Cărtărescu, em língua japonesa