“As Velhinhas e o Diabo: aforismos para tempos que ainda esperam pelo despertar da história” – Giovanni ROTIROTI

Prefácio de As velhinhas e o diabo [Babele și diavolul], de Ciprian Vălcan. Trad. de Rodrigo Menezes. São Paulo: Tesseractum, 2022. ISBN: 978-65-89867-30-2. “A etapa final do capitalismo é o canibalismo.” Num século – como o nosso – marcado pela derrocada das utopias emancipatórias e pela crescente imposição do sistema econômico e do imaginário capitalista,… Continue lendo “As Velhinhas e o Diabo: aforismos para tempos que ainda esperam pelo despertar da história” – Giovanni ROTIROTI

“La Conscience malheureuse” – Benjamin FONDANE

Société d'Études Benjamin Fondane Denoël,1936, rééd. Plasma,1979. Publié en 1936, La Conscience malheureuse réunit une série d'articles qui avaient paru dans diverses revues et qui subirent d'importantes modifications au moment où ils furent repris en volume. Ces essais consacrés à Nietzsche, à Gide, à Husserl, à Bergson, à Freud, à Kierkegaard, à Heidegger, à Chestov, furent perçus à… Continue lendo “La Conscience malheureuse” – Benjamin FONDANE

“Sigmund Freud’s Dream Book” – Harold BLOOM

It could be argued that The Interpretation of Dreams, published late in 1899, has been the most influential single intellectual work of the twentieth century. Unfortunately, Freud’s great book is marred by its scientism, or making a fetish out of science, yet even this flaw has not prevented its lasting triumph as an interpretive model,… Continue lendo “Sigmund Freud’s Dream Book” – Harold BLOOM

“O Esquecimento, a Desrazão” – Maurice BLANCHOT

A RELAÇÃO DO DESEJO com o esquecimento como aquilo que se inscreve previamente fora da memória, relação com aquilo de que não pode haver recordação e que sempre precede, apaga a experiência de um traço, esse movimento que se exclui e que, por essa exclusão, se designa como exterior a si próprio, requer assim uma… Continue lendo “O Esquecimento, a Desrazão” – Maurice BLANCHOT

“Psychopathologie du mysticisme et travail du négatif” – Jacques ARÈNES

Adolescence, 2008/1 (T. 26 n°1) Les modèles traditionnels de la psychopathologie mystique Les mystiques sont diverses, et il est présomptueux de discerner une pathologie du mysticisme comme de donner une unité au mouvement mystique. L’unité de la mystique est cette dimension essentielle du religieux qui déploie l’amour et le désir humains en désir et amour religieux .… Continue lendo “Psychopathologie du mysticisme et travail du négatif” – Jacques ARÈNES

“Por uma suspensão teológico-política do ético” – Slavoj ŽIŽEK

Se no passado fingimos publicamente acreditar enquanto permanecíamos céticos na vida privada, ou ainda envolvidos na troça obscena de nossas crenças públicas, hoje tendemos publicamente a professar nossa atitude cética, hedonista e relaxada, enquanto na vida privada continuamos acossados pelas crenças e proibições severas. Nisso consiste, para Jacques Lacan, a consequência paradoxal da experiência de… Continue lendo “Por uma suspensão teológico-política do ético” – Slavoj ŽIŽEK

“The Contingency of Selfhood” – Richard RORTY

As I was starting to write on the topic of this chapter, I came across a poem by Philip Larkin which helped me pin down what I wanted to say. Here is the last part of it: And dace you have walked the length of your mind, what You command is as clear as a… Continue lendo “The Contingency of Selfhood” – Richard RORTY

“La condición humana: ¿océano o desierto?” – Josep Maria ESQUIROL

Fundación Juan March, Madrid, 18 de febrero de 2016 https://www.youtube.com/watch?v=ndZ1VGmu-ko El filósofo Josep Maria Esquirol utiliza la imagen del desierto-intemperie como metáfora de la condición humana. Como propuesta de pensamiento que pretende superar las tradiciones nihilistas y existencialistas y apoyándose en autores como Freud, Heidegger, Levinas o Deleuze, se plantea una situación de resistencia basada… Continue lendo “La condición humana: ¿océano o desierto?” – Josep Maria ESQUIROL

Prioridade, Autoridade, Angústia da Influência – Harold BLOOM

Nietzsche e Freud são, até onde me é dado ver, as influências básicas na teoria da influência apresentada neste livro. Nietzsche é o profeta do antitético, e sua Genealogia da moral é o mais profundo estudo de que disponho das tensões revisionárias e ascéticas no temperamento estético. As investigações por Freud dos mecanismos de defesa… Continue lendo Prioridade, Autoridade, Angústia da Influência – Harold BLOOM

“Estamos nos tornando uma teocracia”: entrevista com Harold BLOOM

Folha de S. Paulo, 24/09/2005 "Creio que sou religioso, mas de um modo herético. Acho que em algum lugar, além deste reino, além do nosso cosmo, haja um sonho em exílio, um princípio divino, e acho que há um fragmento disso em cada ser humano, mas este se acha enterrado tão fundo, tão oculto no… Continue lendo “Estamos nos tornando uma teocracia”: entrevista com Harold BLOOM