“Anxiety and Lucidity: Reflections on Culture in Times of Unrest” – Leszek KOCZANOWICZ

What has happened to us? What is the meaning of what has happened to us? Bewilderment is perhaps tbe most frequent and at tbe same time most adequate response to the phenomenon of modernity. Emotion underlies even the most learned reflection on the modern age. All attempts at grasping its definitive characteristics have ended in… Continue lendo “Anxiety and Lucidity: Reflections on Culture in Times of Unrest” – Leszek KOCZANOWICZ

Publicidade

“A solidão do ser humano: de Pascal a Nietzsche” – Hans JONAS

Há mais de duas gerações, Nietzsche disse que estava chegando o niilismo, “o mais inquietante de todos os hóspedes”. Entrementes, o hóspede entrou em casa e deixou de ser hóspede, e no tocante à filosofia o existencialismo tenta conviver com ele. Viver em tal companhia significa viver em crise. Os inícios da crise remontam ao… Continue lendo “A solidão do ser humano: de Pascal a Nietzsche” – Hans JONAS

“Culpado sem crime: ensaio sobre a má consciência em Crime e Castigo” – Rodrigo MENEZES

Trabalho realizado para a disciplina de Introdução ao Pensamento Teológico, ministrada pela professora Marilia Alves Pedrosa Esaú, graduação em Filosofia da PUC-SP (2003). Ser um Raskolnikov sem a desculpa do crime. CIORAN, Silogismos da amargura “Porque fugiste de Dúchkin?” – “Porque naquela ocasião fiquei com muito medo”. “Medo de quê?” – “De ser condenado.” “Como… Continue lendo “Culpado sem crime: ensaio sobre a má consciência em Crime e Castigo” – Rodrigo MENEZES

“Lutero” – E. M. CIORAN

Ter fé não é tudo; importa ainda sofrê-la como uma maldição, ver em Deus um inimigo, um carrasco, um monstro e, todavia, amá-lo, projectando nele toda a. inumanidade de que dispomos, com que sonhamos… A Igreja fez de Lutero um ser pálido, degenerado, amável; Lutero protesta: Deus, sustenta ele, não é. o «tolo», nem o… Continue lendo “Lutero” – E. M. CIORAN

“Lev Shestov: philosopher of the sleepless night” – Matthew BEAUMONT

Staying woke and staying awake Stay woke! What does it mean, politically speaking, to resist the temptation to sleep? To be awake? And to remain awake? The word ‘woke’, used in its colloquial sense as an adjective to signify ‘alert to racial or social discrimination’, was first included in the Oxford English Dictionary in 2017.… Continue lendo “Lev Shestov: philosopher of the sleepless night” – Matthew BEAUMONT

“Fé e Razão na apologia da religião cristã de Pascal” – Franklin LEOPOLDO E SILVA

Cadernos de História e Filosofia da Ciência, UNICAMP, Campinas, Série 3, v. 11, n. 1, p. 29-44, jan.-jun. 2001. Resumo: O texto procura mostrar, por via de um comentário do fragmento que contém as anotações de Pascal para a exposição feita em Port-Royal a propósito da Apologia que pretendia escrever, que a implicação entre razão… Continue lendo “Fé e Razão na apologia da religião cristã de Pascal” – Franklin LEOPOLDO E SILVA

“Dos Coxos: ceticismo e fideísmo em Montaigne” – Luciana AZEVEDO

O Que Nos Faz Pensar, [S.l.], v. 20, n. 30, p. 176-194, dec. 2011. ISSN 0104-6675.  Resumo: O presente artigo tem como objetivo analisar as relações entre o ceticismo montaigniano e o ceticismo acadêmico, a partir do ensaio “Dos Coxos”. Pretendemos evidenciar que a presença de elementos tipicamente acadêmicos neste ensaio não caracteriza uma modificação… Continue lendo “Dos Coxos: ceticismo e fideísmo em Montaigne” – Luciana AZEVEDO

“Do ennui ao êxtase: Cioran e o sentimento religioso da existência” – Rodrigo MENEZES

Quanto mais perco minha fé no mundo, mais estou em Deus, sem crer nele. – Será uma doença misteriosa, ou uma nobreza do espírito e do coração, que te faz ser ao mesmo tempo cético e místico?CIORAN, Amurgul gândurilor [O Crepúsculo dos Pensamentos] (1940) A acusação de “irracionalismo” oculta, muitas vezes, a defesa de um… Continue lendo “Do ennui ao êxtase: Cioran e o sentimento religioso da existência” – Rodrigo MENEZES

“Ne te quaesiveris extra: Bloom, Cioran e a autodependência” – Rodrigo Menezes

Apenas dura aquilo que foi concebido na solidão, diante de Deus, quer sejamos crentes quer não.CIORAN, Do inconveniente de ter nascido, p. 54. Crer em Deus nos dispensa de crer em qualquer outra coisa – o que é uma vantagem inestimável. Sempre invejei os que creem nele, ainda que crer-se Deus me pareça mais fácil do… Continue lendo “Ne te quaesiveris extra: Bloom, Cioran e a autodependência” – Rodrigo Menezes

Cioran: conhecimento e sofrimento, titanismo e expiação (4 contextos)

Nada do que sabemos está livre de expiação. Pagamos caro, cedo ou tarde, por cada paradoxo, coragem de pensamento ou indiscrição do espírito. No castigo que sucede a qualquer progresso do conhecimento há um estranho feitiço. Arrancaste o véu que encobre a inconsciência da natureza? Pagarás com uma tristeza cuja origem não podes suspeitar. Te… Continue lendo Cioran: conhecimento e sofrimento, titanismo e expiação (4 contextos)