“Bailar el tango” – Ciprian VĂLCAN

Revista Humanitas, 152, junho de 2022, p. 44-52. Ao viajar à capital portenha, um filósofo romeno deseja ver de perto o espetáculo de dança e música que o encantava nos programas de TV da sua juventude. Ao vivo, a arte se mostrou atemporal, mas ainda um espelho da sociedade local Byron. Quando eu tinha 15-16… Continue lendo “Bailar el tango” – Ciprian VĂLCAN

“The Revelation of Philip K. Dick” – John GRAY

It would be hard to find a more striking statement of a Gnostic world-view than this: Behind the counterfeit universe lies God … It is not a man who is estranged from God; it is God who is estranged from God. He evidently willed it this way at the beginning, and has never since sought… Continue lendo “The Revelation of Philip K. Dick” – John GRAY

“A revolta dos dândis” – Albert CAMUS

Mas ainda é a hora dos homens de letras. O romantismo, com sua revolta luciferina, só servirá realmente às aventuras da imaginação. Como Sade, ele se separará da revolta da antiguidade pela preferência dada ao mal e ao indivíduo. Ao ressaltar seus poderes de desafio e de recusa, a revolta nesse estágio esquece seu conteúdo… Continue lendo “A revolta dos dândis” – Albert CAMUS

“Por que fazer algo? Uma meditação sobre a procrastinação” – Costică BRĂDĂȚAN

ESCUTA.

Costica Bradatan*

Traduzido por Matheus Lima Targueta**

Você já ouviu falar da estória do arquiteto de Shiraz, que desenhou a mesquita mais bela do mundo? Ninguém jamais atingiu tais traços. Apesar da imponência de tirar o fôlego, era bem-proporcionada, divinamente sofisticada e irradiava um distinto calor humano. Aqueles que viam os planos ficavam boquiabertos.

Ver o post original 1.568 mais palavras

“Lo que nunca dijo Cioran” – Alexis RODRÍGUEZ

TRIPTICUM, 23 de abril 2022 Sé que no leerás esta carta y que tan solo el milagro de la resurrección podría alterar el curso de las cosas. Así que este escrito será como lanzar una triste confesión al oído de la almohada o un suspiro al sordo batir de las olas del mar. Nunca recibiré… Continue lendo “Lo que nunca dijo Cioran” – Alexis RODRÍGUEZ

“Anticlericalism and Atheism” – Richard RORTY

Some day, intellectual historians may remark that the twentieth century was the one in which the philosophy professors began to stop asking bad questions—questions like “What really exists?” “What are the scope and limits of human knowledge?” and “How does language hook up with reality?” These questions assume that philosophy can be done ahistorically. They… Continue lendo “Anticlericalism and Atheism” – Richard RORTY

“O ensaio como forma” – Theodor W. ADORNO

Destinado a ver o iluminado, não a luz.GOETHE, Pandora Que o ensaio, na Alemanha, esteja difamado como um produto bastardo; que sua forma careça de uma tradição convincente; que suas demandas enfáticas só tenham sido satisfeitas de modo intermitente, tudo isso já foi dito e repreendido o bastante. “A forma do ensaio ainda não conseguiu… Continue lendo “O ensaio como forma” – Theodor W. ADORNO

“O homem que se apaixonou por um machado” – Ciprian VĂLCAN

International Writer's Journal, year 3, no. 1, January-March, 2022. ISSN (print): 2690-1846 ISSN (online): 2690-1854 "Um homem russo de 38 anos pediu a sua esposa que o atacasse com um machado dentro de casa. A proposta de casamento sem precedentes aconteceu no tribunal em que ocorreu o processo em torno do fato, noticiou The Moscow… Continue lendo “O homem que se apaixonou por um machado” – Ciprian VĂLCAN

« Paléontologie », de Le Mauvais Démiurge (1969): leitura comentada – Rodrigo Menezes

Live tertúlia no YouTube sobre um importantíssimo ensaio deste livro ainda inédito em língua portuguesa, Le mauvais démiurge (1969). Data: 27/11/2021Horário: 19h00 (BRA) O Caderno de Talamanca, escrito em 1966 durante uma temporada de férias na Espanha, antecipa algumas das ideias de Le mauvais démiurge e, particularmente, de "Paleontologia": "Redenção: pelo conhecimento, pela ultrapassagem do… Continue lendo « Paléontologie », de Le Mauvais Démiurge (1969): leitura comentada – Rodrigo Menezes

“La jumătate de drum” – Ciprian VĂLCAN

DILEMA VECHE, nr. 914, 14 – 20 octombrie 2021 Fără să mă fi gîndit pînă acum la asta, îmi dau seama că mulți dintre autorii mei favoriți au fost bărbați care și-au găsit sfîrșitul între 40 și 50 de ani. Kafka moare cu o lună înainte de a împlini 41 de ani. Kierkegaard moare la… Continue lendo “La jumătate de drum” – Ciprian VĂLCAN