“Los otros «anti-sistema»: Cioran por Savater” – Jesús García CÍVICO

El Hype, 15 noviembre 2016 Hay una idea tan peligrosa como extendida según la cual, los libros actuales son aquellos que se acaban de publicar. Yo creo, más bien, que hay libros que resultan actuales porque algún pensamiento en ellos permite comprender (y pensar) algo inteligente y distinto acerca del presente: una forma de escapar… Continue lendo “Los otros «anti-sistema»: Cioran por Savater” – Jesús García CÍVICO

“Cioran: un nihilista seductor” – Plinio CHAHIN

Hoy, República Dominicana, 28 noviembre 2020 El hombre es el ser que busca y yerra. Ente errante de su propio destino, el hombre es un ser que se interroga e intenta situar su desesperación y angustia en el mundo. ¿Dónde se encuentra definitivamente ubicado el hombre? Entre el todo y la nada. En una insuprimible… Continue lendo “Cioran: un nihilista seductor” – Plinio CHAHIN

Fear Psychosis and the Cult of Safety – Why are People so Afraid? | Academy of Ideas

For years I received the visit of a beggar who would ask me questions about God, matter, evil, etc., which, of course, I could not answer. He carried those questions within him, revolved around them in every way possible, confused himself with them. I have never known anyone more laden, more afflicted by the insoluble… Continue lendo Fear Psychosis and the Cult of Safety – Why are People so Afraid? | Academy of Ideas

“Ne te quaesiveris extra: Bloom, Cioran e a autodependência” – Rodrigo Menezes

Apenas dura aquilo que foi concebido na solidão, diante de Deus, quer sejamos crentes quer não.CIORAN, Do inconveniente de ter nascido, p. 54. Crer em Deus nos dispensa de crer em qualquer outra coisa – o que é uma vantagem inestimável. Sempre invejei os que creem nele, ainda que crer-se Deus me pareça mais fácil do… Continue lendo “Ne te quaesiveris extra: Bloom, Cioran e a autodependência” – Rodrigo Menezes

Grandes documentales: Baruch Spinoza y Gottfried Leibniz | ABC TV Paraguay

En esta edición volvemos a la filosofía con dos grandes exponentes del siglo XVII, ambos contemporáneos y ambos han hecho grandes aportes al pensamiento humano, Baruch Spinoza y Gottfried Leibniz https://www.youtube.com/watch?v=Id0PiSvuvSc

“Dos males, qual o pior? Acaso trágico e fatalismo gnóstico em Clément Rosset e Emil Cioran” – Rodrigo Menezes

Clément Rosset critica Georges Bataille, em sua Lógica do pior (1971), por supostamente mistificar o saber trágico e a consciência trágica, dando a entender que seriam o apanágio de um seleto grupo de intelectuais iluminados (a começar por Bataille, provoca Rosset), graças a um suposto "despertar" espiritual que nem todos os mortais podem ter. Esta… Continue lendo “Dos males, qual o pior? Acaso trágico e fatalismo gnóstico em Clément Rosset e Emil Cioran” – Rodrigo Menezes

“Cioran, el último gnóstico” – Fernando SAVATER

Voy a revelarles un secreto: como tantas otras cosas buenas de las que disfrutan en la actualidad, los españoles le deben las traducciones de E. M. Cioran a… a Franco. Por lo menos las mías, que a falta de otro mérito tienen el de ser las primeras que pudieron comprarse en nuestras librerías. Si la… Continue lendo “Cioran, el último gnóstico” – Fernando SAVATER

Ensayo sobre Cioran (introdução) – Fernando SAVATER

Conceber um pensamento, um único pensamento, mas que fizesse em pedaços o universo. Le mauvais démiurge Já que se trata de fazer uma tese, escolhamos ao menos um tema impossível: que o fracasso em que há de culminar nosso trabalho não seja simples fruto da incúria ou da incompetência, mas da premeditação. Suponho que uma… Continue lendo Ensayo sobre Cioran (introdução) – Fernando SAVATER

“Desígnio e tarefa da lucidez”: primeiro capítulo do Ensayo sobre Cioran, de F. SAVATER

A verdadeira vertigem é a ausência de loucura.La chute dans le temps Será preciso determinar, em primeiro lugar, o que entenderemos por lucidez. Como não pretendo utilizar esta palavra de um modo especial ou inusual, deverei ater-me à definição que dela me brinda o dicionário; talvez possamos encontrar em tal definição os traços que gostaríamos… Continue lendo “Desígnio e tarefa da lucidez”: primeiro capítulo do Ensayo sobre Cioran, de F. SAVATER

“O Último dos Delicados”: Borges por Cioran

Carta a Fernando SavaterParis, 10 de dezembro de 1976 Caro amigo, Em novembro, na sua passagem por Paris, você me pedira para colaborar num volume de homenagem a Borges. Minha primeira reação foi negativa; a segunda… também. Para que festejá-lo quando as próprias universidades o fazem? O azar de ser reconhecido se abateu sobre ele.… Continue lendo “O Último dos Delicados”: Borges por Cioran